Fale Conosco

19 de abril de 2012

Interiorização e Cagepa implantam Coleta Seletiva Solidária em Campina



A Secretaria da Interiorização da Ação do Governo e a Gerência Regional da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), em Campina Grande, aderiram ao programa Coleta Seletiva Solidária nos órgãos públicos estaduais, atendendo à Política Nacional do Meio Ambiente e do Plano Nacional de Resíduos Sólidos e também à Lei Estadual 9.293/10.

Para atingir o objetivo do programa os funcionários foram instruídos sobre como procederem para o início do trabalho na repartição, a partir da criação de uma comissão interna, aplicação do diagnóstico sobre quantidade e tipo de resíduo gerado.  A implantação na Cagepa foi oficializada nesta quinta-feira (19), durante seminário, no auditório da companhia, no bairro do Tambor, que contou a presença do secretário de Interiorização, Fábio Maia, e da coordenadora de Educação Ambiental da Sudema, Karina Massei.

Durante o seminário, as integrantes da comissão ambiental Maria do Rosário, Rejane de Fátima e Cledna Borborema fizeram uma exposição sobre a Coleta Solidária e destacaram a importância do engajamento dos funcionários na execução do programa.

O coordenador ambiental da Secretaria dos Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, Rogério Ferreira, detalhou a Lei  9.293/10 e sua implantação nos órgãos do Governo do Estado. Também foram apresentadas as experiências de gerenciamento de resíduos no Hospital Regional de Trauma de Campina Grande e de lixo eletrônico na Codata.

Interiorização – O secretário Fábio Maia anunciou, durante o evento, que a Secretaria de Interiorização vai implantar nas próximas semanas a Coleta Seletiva Solidária e destacou que o programa vai beneficiar associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis que são descartados pela pasta e gerências de mais sete órgãos do Estado que funcionam no prédio da secretaria, em Campina.

“Este programa é de inclusão social, pois insere os catadores na cadeia produtiva. Além disso, preserva o meio ambiente. A separação na fonte evita a contaminação dos materiais reaproveitáveis, aumentando o valor agregado destes”, pontuou Fábio.