João Pessoa
Feed de Notícias

Iniciativa tem a parceria da Anvisa e o apoio de órgãos de fiscalização e defesa do consumidor

quarta-feira, 14 de abril de 2010 - 18:28 - Fotos: 
“Na Paraíba, em média, 40% de todos os casos de intoxicação em seres humanos são causados pelo uso de medicamentos e a maioria das vítimas é criança”. O alerta foi feito pelo diretor da Agência Estadual de Vigilância Sanitária da Paraíba (Agevisa-PB), José Alves Cândido, na abertura do I Workshop Paraibano de Combate aos Medicamentos Irregulares, nesta quarta-feira (14). No evento, foi lançada a campanha ‘Medicamento Verdadeiro’, a ser realizada por tempo indeterminado em todo o Estado, com a distribuição da ‘Cartilha sobre os cuidados com o uso de medicamentos’ e outros materiais de divulgação. A campanha é realizada em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com apoio do Ministério Público Estadual e de outros orgãos de fiscalização e defesa do comsumidor.

José Alves explicou que não há como precisar o percentual de casos de intoxicação provocados por medicamentos falsificados, porque as pessoas que fazem uso de medicamentos irregulares não sabem diferenciá-los dos regulares e, por isso, a Agevisa e o Ministério da Saúde, com o apoio do MP-PB, estão promovendo a campanha.

O diretor da Agevisa disse que o material de divulgação será disponibilizado aos órgãos que fazem parte da campanha, aos estabelecimentos de saúde e a outras instituições parceiras para serem distribuídos com a pessoas que procurarem ou passarem por esses locais. “ Essa campanha é educativa e a população será a nossa grande aliada  no combate à venda e ao uso de medicamentos falsos”, afirmou.

O material será distribuído com a população, a partir da próxima semana. Até o final da manhã da próxima sexta-feira (16), os técnicos e fiscais dos órgãos de defesa do consumidor e  da área de segurança pública vão participar do workshop sobre as estratégicas que são utilizadas no combate e identificação de um medicamento falsificado  ou contrabandeado e conhecer os meios mais modernos para coibir a venda e o uso desses remédios.

– O diretor da Agevisa alertou que a  pessoa tem que tomar alguns cuidados sempre que for comprar um medicamento que deve ser adquirido direto na farmácia e não por meio de entrega em domicílio. Outra orientação é para que o consumidor verifique se o estabelecimento comercial possui o alvará sanitário para funcionamento e se tem um farmacêutico de plantão.  

Ele orientou que o consumidor deve verificar o  número do lote, a data de fabricação, o prazo de validade e observar se a embalagem está lacrada. Outro ponto importante é prestar atenção no selo de segurança. “ Quando você raspa o local com um metal, automaticamente aparecerá o nome do fabricante do remédio. Caso contrário, o produto é falso”, afirmou.

Procedimento – A Agevisa orienta à população que caso suspite de qualquer irregularidade no medicamento, como por exemplo uma rasura na numeração do lote ou a caixa violada,  leve o caso ao conhecimento dos órgãos de defesa do consumidor e à própria Agência para que as providências sejam tomadas. “A Agevisa, o Ministério Público e outros órgãos de defesa do consumidor, além das polícias Civil e Militar, estão sempre realizando fiscalizações em farmácias e distribuidoras de medicamentos e, na última operação, realizada no mês de fevereiro deste ano, sete farmácias e duas distribuídoras foram fechadas e oito presas”, lembrou José Alves.

Tema importante – O procurador-geral de Justiça, Oswaldo Trigueiro do Valle Filho, disse que o Ministério Público está aberto para debates, especialmente de cunho social. “É uma alegria trazer o debate com temas importantes, como a questão dos medicamentos, pois essa atual administração tem como perfil um Ministério Público Social”, declarou o procurador-geral, lembrando que nos quatro encontros regionais de promotores, no ano passado, o tema que mais preocupava na área de saúde, ao lado do Programa de Saúde da Família (PSF), foi o medicamento.

O lançamento aconteceu na manhã desta quarta-feira (14), no auditório da Procuradoria Geral de Justiça do Estado, durante o  I Workshop Paraibano de Combate aos Medicamentos Irregulares. Participaram da solenidade, o diretor da Agevisa, José Alves Cândido; o representante da Anvisa, Carlos Augusto; o procurador-geral de Justiça do Estado, Oswaldo Trigueiro do Vale Filho; o comandante-geral da Polícia Militar da Paraíba, coronel Wilde de Oliveira Monteiro; o promotor do Consumidor, Gualberto Bezerra,  e o delegado João Alves, que representou o secretário da Segurança e da Defesa Social do Estado, Gustavo Gominho.

Da Assessoria de Imprensa da SES-PB