Fale Conosco

10 de março de 2015

Infecção hospitalar é tema de palestra no Arlinda Marques



O controle e prevenção da infecção hospitalar foi o tema de mais uma palestra realizada na manhã desta terça-feira (10) no Complexo de Pediatria Arlinda Marques.  O público alvo das discussões foi os residentes em Pediatria e em Saúde da Criança.  Desde a semana passada que esses profissionais vêm participando de palestras como forma de aprimorar ainda mais os seus conhecimentos.

De acordo com a coordenadora da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Arlinda Marques, Thaís Grilo Moreira Xavier, a Organização Mundial da Saúde reconhece as infecções relacionadas à assistência a saúde como um problema de saúde pública, “e as ações de sensibilização e educação continuada se fazem indispensáveis para que esses residentes sejam colaboradores na prevenção dessas infecções”, completou.

Ela explica que dentro dos hospitais as infecções podem comprometer a evolução clínica dos pacientes internados e gera um aumento nos custos de internação, prolonga o período de hospitalização, além de poder causar dano ou até mesmo a morte de uma criança. “Neste contexto, trabalhamos no sentido de conscientizar de que todos os profissionais que atuam no âmbito hospitalar podem contribuir com a redução do risco de aquisição das infecções hospitalares”, destacou a enfermeira ao afirmar que uma das medidas que favorece  para essa redução é a lavagem das mãos.

Ela lembrou que, em 1846, o médico húngaro Ignaz Semmelweis reportou a redução no número de mortes maternas por infecção puerperal à implantação da prática de higienização das mãos, em um hospital de Viena. Essa história foi vista em um filme apresentado às residentes.

“Estamos convictos de que um dos objetivos da oficina foi alcançado: mudança de prática no processo de trabalho desses profissionais. A higienização das mãos é simples e pouco dispendiosa, mas é considerada uma das medidas mais eficazes no controle das infecções e estamos convictos de que teremos profissionais que irão disseminar o conhecimento e contribuir com o controle das infecções hospitalares”, finalizou.