João Pessoa
Feed de Notícias

Ideme constata alta nos preços de produtos da cesta básica em JP

terça-feira, 11 de maio de 2010 - 19:27 - Fotos: 

O quilo do feijão subiu 33,33% nos supermercados e feiras livres de João Pessoa entre março e abril deste ano. A elevação no processo do produto puxou a alta de 6,65% no custo da cesta básica, no mesmo período. Os dados fazem parte de levantamento do Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual (Ideme), divulgado nesta terça-feira (11).

Em março, o quilo do feijão era vendido a R$ 2,58. Em abril, o valor do produto subiu para R$ 3,44. Segundo o chefe do Departamento de Informações para o Planejamento do Ideme, Geraldo Lopes, o aumento de 33,33% no preço do feijão decorreu do excesso de chuvas no Sul do Brasil e da estiagem no Nordeste.

“O excesso de chuvas frustrou a safra do feijão do Sudeste, a exemplo do Paraná. Já no na Paraíba e em Pernambuco, foi a estiagem que prejudicou a produção. Como a oferta do produto ficou menor, os preços acabaram aumentando”, explicou Geraldo Lopes.

Outras produtos – Além do feijão, outros itens da cesta básica registraram alta de preços. É o caso dos legumes, que subiram 15,28% nas feiras livres e supermercados, passando de R$ 2,29 em março para R$ 2,64 em abril, na Capital. Na lista de legumes, o tomate lidera o ranking ao ter o quilo do produto reajustado de R$ 2,47 para R$ 3,33. Outro item que registrou alta no custo foi a batata inglesa, cujo valor do quilo subiu de R$ 2,94 para R$ 3,67.

As causas para o aumento no custo dos legumes, segundo o economista do Ideme, são as mesmas que ocasionaram o reajuste de preço no feijão. “Os legumes, especialmente o tomate, são lavouras irrigadas. Como estamos passando por um período de estiagem no Nordeste, a produção está comprometida no Brejo paraibano, a exemplo de Alagoa Nova”, exemplificou Geraldo Lopes.

No caso das frutas, técnicos do Ideme também identificaram aumento nos preços, entre março e abril.  A elevação chegou a 7,44%. Ainda contribuíram para aumento no valor da cesta básica: açúcar (5,02%), margarina (4,93%), pão francês (3,77%), farinha de mandioca (3,23%), carnes (2,63%), leite pasteurizado (1,20%) e café moído (0,91%). Por outro lado, houve redução de preços nos seguintes produtos: óleo de soja (3,75%), arroz (2,56%) e raízes (1,70%).

A recomendação do economista do Ideme é que o consumidor pesquise os preços dos produtos em supermercados e em feiras livres, antes de comprá-los.

Em abril, a cesta básica custou R$ 194,62, o que representa uma alta de 6,65% em comparação a março. Para poder comprar a alimentação individual, o trabalhador que ganha um salário mínimo (R$ 510) precisou trabalhar 83 horas. Para alimentar uma família de quatro membros, o trabalhador precisou desembolsar R$ 778,48 para comprar os alimentos em supermercados e feiras livres de João Pessoa.

Bartolomeu Honorato, da Assessoria de Imprensa do Ideme