Fale Conosco

20 de maio de 2016

Hospital de Trauma de João Pessoa realiza palestra sobre interpretação de eletrocardiograma



Qualificar os profissionais de enfermagem sobre a interpretação do Eletroletrocardiograma (ECG) foi o objetivo da palestra realizada nessa quinta-feira (19), no auditório do Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa. A iniciativa fez parte do calendário de atividades programadas para comemorar a “Semana de Enfermagem”, iniciada no dia 12 e que será encerrada nesta sexta-feira (20).

“Durante a apresentação, focamos em pontos como interpretação inicial do ECG, identificação de sinais de que o paciente está infartando, falha na oxigenação, entre outros, que podem e devem ser identificados no exame”, ressaltou a palestrante Virgínia Porto, enfermeira titulada pela Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva e coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Instituto Cândida Vargas, na Capital.

De acordo com Virgínia, no caso específico dos pacientes internados no Hospital de Emergência e Trauma, os casos de traumatismos torácicos precisam ser observados porque podem interferir na condução dos estímulos elétricos do coração, podendo gerar arritmias e outros problemas que, se não identificados e tratados, podem levar o paciente ao óbito.

A gerente de enfermagem da instituição de saúde, Daína Jerônimo, falou sobre a palestra. “Reconhecer o comprometimento da função cardíaca é fundamental para tomar atitudes em conjunto com a equipe médica em tempo hábil e para tratar o paciente, e isso depende da capacidade do profissional da enfermagem fazer a correta interpretação do Eletrocardiograma”, frisou.

Os técnicos e enfermeiros da unidade hospitalar que participaram o evento mostraram-se bastantes satisfeitos com o conteúdo apresentado no decorrer da palestra, e a técnica Mônica Benevides fez sua avaliação. “Aprimorar nossos conhecimentos é muito importante. Essa qualificação oferecida para a equipe de enfermagem reflete diretamente na assistência, beneficiando os usuários do hospital”, destacou a técnica de enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTI), Mônica Benevides.