Fale Conosco

12 de maio de 2015

Hospital de Trauma de João Pessoa realiza 43 cirurgias vasculares nos primeiros três meses de 2015



Quarenta e três cirurgias vasculares foram realizadas no Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena de janeiro a março deste ano. Já em 2014, nos três primeiros meses do ano, 31 pacientes foram submetidos ao procedimento cirúrgico, conforme foi registrado pelo setor de Estatística da unidade hospitalar.

De acordo com o médico coordenador da Cirurgia Vascular da unidade de saúde, Manoel Ricardo Nogueira, o Hospital de Emergência e Trauma está bem preparado para o atendimento de casos complexos. “Aqui temos uma excelente estrutura com equipamentos de ponta e dispomos de profissionais altamente qualificados para a realização desse tipo de cirurgia”, afirmou.

Os pacientes do Hospital de Trauma que passam por cirurgia vascular apresentam em comum idade média de 30 anos, na maioria do sexo feminino, e geralmente, vítimas de acidente de trânsito, de trabalho ou agressão física, atingidos nos membros inferiores, principalmente nas coxas. Muitas vezes, a gravidade dos casos leva à amputação dos membros.

Ainda de acordo com Manoel Ricardo, além dos procedimentos cirúrgicos, a unidade hospitalar também realiza atendimentos a pessoas acometidas por trombose venosa profunda, que é a coagulação de sangue no interior do vaso sanguíneo. Para diagnosticar o problema, o paciente é submetido a exame de ultrassonografia e, tendo resultado positivo, pode ser encaminhado para receber tratamento ambulatorial.

O Hospital de Trauma também recebe casos referentes a pacientes acometidos por oclusão arterial aguda (formação de trombo no interior de uma artéria que compromete a irrigação de um membro). O tratamento para este tipo de ocorrência é cirúrgico, de caráter emergencial.

“Estou internada no hospital desde o último dia 17 por causa de uma trombose venosa. Recebo medicações que aliviam as dores e o mal estar.  Estou sendo muito bem tratada e acredito que, em breve, receberei alta médica”, disse Francisca Félix Barbosa, de 83 anos.

A instituição de saúde ainda atende casos de Aneurisma da Aorta e artérias periféricas, com propensão a se romper. Esta situação exige tratamento cirúrgico, com substituição da área lesada da artéria por uma prótese vascular.