Fale Conosco

30 de junho de 2016

Hospital de Trauma de João Pessoa implanta padronização na área de Neurocirurgia



O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena está implantando a padronização na área de neurocirurgia, visando à melhoria do paciente em coma. O processo foi iniciado nessa quarta-feira (29), no auditório do Hospital, com a realização do curso “Padronizando a Linguagem no Neurointensivismo”. A iniciativa é da coordenação da área de Neurocirurgia da unidade hospitalar e tem como público alvo profissionais da área de saúde.

O ciclo de aulas aborda as escalas de coma que foram desenvolvidas para avaliar o nível de consciência do paciente vítima de lesões traumáticas. Os chamados “achados” das escalas de coma baseiam a conduta clínica a ser adotada, incluindo a necessidade da realização de exames de imagem, como tomografia, ressonância e ainda norteia a escolha das drogas a serem administradas.

“As escalas neurológicas são ferramentas formadas a partir da coesão de características gerais e ou específicas do paciente em questão. Podem refletir o quadro clínico; avaliar gravidade; estabelecer o prognóstico; determinar a conduta; mensurar o grau de ressecção neurocirúrgica; mensurar os efeitos da intervenção terapêutica; descrever as modificações do exame neurológico; uniformizar a linguagem científica, auxiliando a realização de estudos multicêntricos”, esclareceu o coordenador da área de Neurocirurgia do hospital, Gustavo Patriota.

O ministrante da primeira aula, o estudante de medicina Lucas Reichert, falou sobre a importância da padronização da linguagem no Neurointensivismo. “A utilização das escalas de coma fazem parte do dia a dia nas urgências, emergências e Unidas de Terapia Intensiva (UTIs) dos hospitais, por isso, é fundamental que todos os profissionais da saúde trabalhem de forma otimizada pra o fim comum, que é a melhoria do paciente”, disse Lucas.

O primeiro dia do ciclo de aulas atraiu estudantes de medicina, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas. Dyego Farias, profissional do Serviço de Fisioterapia do Hospital de Emergência e Trauma, também comentou a iniciativa. “É muito importante que os profissionais da saúde falem a mesma linguagem, o que reflete significativamente para a melhor avaliação do paciente”, destacou.

Período de Duração – O curso acontecerá todas as quartas-feiras, no auditório da instituição de saúde, durante 30 dias. É aberto aos profissionais do complexo hospitalar e ao público em geral.