Fale Conosco

10 de janeiro de 2014

Hospital de Trauma de João Pessoa conta com plano de gerenciamento de crise



O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, é o primeiro do Estado a contar com um plano de gerenciamento de crises, catástrofes e múltiplas vítimas. Nestes trágicos momentos, todas as equipes da unidade hospitalar se mobilizam para prestar o melhor atendimento às vítimas.

O diretor técnico do Hospital de Trauma, Edvan Benevides, explica a importância do plano de gerenciamento de crises, catástrofes e múltiplas vítimas nas atividades do Trauma, pois por meio dessa estratégia o atendimento ao paciente torna-se mais preciso, ágil e eficaz. “O Plano realiza articulações internas, bem como com toda a rede de Urgência e Emergência do Estado, já que em situações extremas os atendimentos de menor complexidade tem que ser direcionados aos outros hospitais da Rede e os de maior complexidade é concentrado aqui no Trauma, onde são reforçadas as equipes médicas e multidisciplinar e simultaneamente nos pacientes mais graves são realizados procedimentos cirúrgicos”, enfatiza.

Segundo a coordenadora da Urgência e Emergência do Trauma, Leide Neria, a unidade hospitalar conta com uma excelente infraestrutura material e de profissionais qualificados, para atender vítimas de catástrofe, e por meio do plano de gerenciamento de crise, a unidade de saúde pode prestar, com excelência, o atendimento às vítimas. “Hoje a nossa unidade de saúde conta com a melhor equipe de profissionais do Estado para casos de alta e média complexidade”, disse.

Leide Neria relembrou o caso que ocorreu na última terça-feira, 07, no município de Lucena, onde um ônibus com vinte trabalhadores caiu em uma ribanceira de cinco metros deixando várias vítimas feridas, destas, sete foram socorridas para o Trauma. Caso parecido com o ocorrido no dia 28 de setembro de 2013 envolvendo um transporte coletivo do município de Santa Rita. Na ocasião, duas vítimas morreram no local e 25 feridos foram conduzidos ao Trauma. Nos dois casos, o plano de gerenciamento de crises, catástrofes e múltiplas vítimas foram cruciais no atendimento às vítimas.