João Pessoa
Feed de Notícias

Hospital de Trauma atende com 50% acima de sua capacidade

terça-feira, 26 de janeiro de 2010 - 18:43 - Fotos: 
O Hospital de Trauma Senador Humberto Lucena está funcionando com 50% acima de sua capacidade de atendimento, devido à falta de outras unidades em João Pessoa que poderiam oferecer o mesmo serviço de ortopedia e traumatologia. Pacientes esperam em macas para receber o tratamento, mesmo com uma equipe de 50 médicos atuando em regime de mutirão durante 24 horas. O quadro foi descrito na manhã desta terça-feira (26) pelo diretor geral do hospital, José Carlos de Freitas Evangelista, durante entrevista coletiva.

Essa sobrecarga no atendimento no Hospital de Traumas se deve, sobretudo, à deficiência nos serviços do Hospital de Ortotrauma, localizado em Mangabeira. Afora isso, segundo José Carlos, muitas clínicas que atendiam pacientes de menor gravidade fecharam. A situação não é ainda mais grave devido a uma estrutura montada para garantir os serviços. “Mas existem pacientes esperando em macas até 24 horas para receber o atendimento”, afirmou.

Essa deficiência acontece porque não foram criadas novas unidades de atendimento nas especialidades de ortopedia e traumatologia para pacientes de baixa complexidade. Isso sobrecarrega o Hospital de Trauma. “Outros serviços de saúde precisam ser criados, senão logo ficaremos numa situação impraticável”, apelou.

Descentralização – Entendimentos já foram mantidos com a Secretaria de Saúde do Município de João Pessoa, para que se crie condições de atendimento em hospitais como o Santa Isabel e o São Vicente de Paulo, que poderiam prestar assistência aos casos menos complexos em ortopedia e traumatologia.

Segundo dados fornecidos na entrevista coletiva, 65% dos casos de atendimentos no Hospital de Trauma são procedentes da cidade de João Pessoa; 88% da região metropolitana da Capital e apenas 12% de cidades do interior do Estado.

O diretor disse que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) se compromete, inclusive, a disponibilizar equipe médica para atender nesses locais sugeridos, fazendo um pacto entre as administrações estadual e municipal, de modo que a população não tenha que passar pelo constrangimento de esperar nos corredores por atendimento. “É preciso criar o serviço de ortopedia em outros hospitais para atender a demanda da cidade que cresceu”, afirmou Evangelista.

Transferência de pacientes – Na semana passada, existiam 94 pacientes com fraturas expostas e ortopedia para ser atendidos, mas os 18 médicos ortopedistas conseguiram reduzir para 70.

“Nenhum paciente deixou ou deixará de ser atendido”, garantiu. Para amenizar a situação, tem sido feita a transferência de pacientes, depois de atendidos, para o Hospital Flaviano Ribeiro, em Santa Rita, e também em outros casos para o Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa. Na mesma situação, pacientes são levados para o Hospital Padre Zé, na Capital, e passam a receber a assistência.     

Pré-carnaval – Segundo dados do diretor do Hospital de Trauma, neste período de Verão a demanda de atendimento aumentou em mais de 25% , mas a unidade está preparada para o período pré-carnaval. ”Quero tranquilizar a população de que todos os profissionais, entre eles 50 médicos, estão em plantão permanente. E com relação aos insumos, também estamos completamente abastecidos”, afirmou José Carlos de Freitas. Mas para ampliar a atenção aos pacientes neste período, um esquema de funcionamento está sendo montado porque a estrutura do hospital permite que se disponibilize uma equipe maior de médicos.

José Nunes, com fotos de Walter Rafael, da Secom-PB