Fale Conosco

23 de maio de 2012

Hospital Antônio Targino comemora 100º transplante de rim em CG



O Hospital Antônio Targino, em Campina Grande, comemora, nesta quinta-feira (24), o seu centésimo transplante de rim. A programação será aberta às 20h, com a apresentação dos resultados estatísticos do serviço pelo presidente do Instituto Social de Assistência a Saúde (Isas), médico Rafael Maciel.

Logo após, haverá mesa redonda sobre o tema Hipersensibilizados, que será abordado pela professora Maria Cristina de Castro, da Universidade de São Paulo (USP). O médico Glauco Willcox, do Laboratório de Histocompatibilidade (HLA-PE) presidirá a mesa e o médico do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP), Samuel Alencar, debaterá o assunto.

Esta ação é o reflexo dos investimentos que o Governo do Estado vem realizando para melhorar a política de transplante no Estado com a assinatura de convênios e a liberação de recursos para compra de medicamentos destinados aos pacientes.

De acordo com a gerente executiva da Regulação e Avaliação da Assistência da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Mércia Coutinho, o Estado não tem medido esforços para melhorar a atenção ao paciente que necessita de transplante. Como exemplo, ela lembrou um convênio no valor de R$ 510 mil por ano, assinado com o Instituto de Assistência à Saúde (ISAS), que realiza o transplante no Hospital Antônio Targino, em Campina Grande.

Mércia Coutinho afirmou que, antes, os pacientes não estavam preparados para a realização do transplante, ou seja, sem a manutenção dos exames ou status ativo na lista de espera. “Com esse convênio, os pacientes ficam com os exames em ordem e preparados para ficar na lista de espera, ou seja, prontos para realizarem o transplante quando tiver a doação do rim. Com a chegada do órgão, os médicos avaliam o paciente prioritário e assim realizam o procedimento”, explicou.

Outra ação importante do Governo do Estado, segundo Mércia Coutinho, é a aquisição de medicamentos para os pacientes. Ela informou que os remédios são fornecidos para que os transplantados não rejeitem o órgão e para isso são investidos recursos  na ordem de R$ 671 mil por ano. “Temos que destacar também as melhorias que serão implantadas no município de João Pessoa. O Governo está dialogando bastante e estamos nos dedicando para que os pacientes em João Pessoa também sejam beneficiados”, afirmou.

Pioneirismo – A diretora da Central de Transplante da Paraíba, Gyanna Lys Montenegro, afirmou que a equipe transplantadora do Hospital Antônio Targino foi uma das pioneiras do Estado, atuando com idealismo e sempre buscando estar em sintonia com as técnicas de transplante que aconteciam no Sudeste do país.

“Após a criação do Sistema Nacional de Transplante (SNT), em 1997, que regulamentou os procedimentos do transplante através da Lei n.º 9.434/97, e a criação da Central de Transplante da Paraíba, através do Decreto n.º 20.127/98, o Hospital Antônio Targino procedeu o seu credenciamento e vem realizado transplante renal na sua Instituição”, lembrou.

Ela disse que depois do convênio firmado entre o Governo do Estado e o Isas o Hospital Antônio Targino tem sido referência em transplantes renais na Paraíba.  Gyanna Lys adiantou que esse mesmo convênio vem sendo estruturado com o hospital transplantador São Vicente de Paula, em João Pessoa, o qual garantirá aos pacientes da Capital os mesmos benefícios praticados aos pacientes de Campina Grande.

“Medidas de incentivo para as equipes transplantadoras de rim, fígado e coração estão em fase de implementação por parte da Secretaria de Saúde como forma de impulsionar a prática da captação e do transplante no Estado. As ações do Governo estadual, a exemplo do que vem sendo praticado com o Isas, demonstram de forma clara como parcerias com instituições comprometidas com a causa do transplante fazem a diferença quando mostram resultados que beneficiam os pacientes em lista de espera”, finalizou a diretora da Central de Transplante da Paraíba.