Fale Conosco

6 de maio de 2013

Governo realiza oficina sobre Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Contaminantes Químicos



A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, Vigilância Operacional de Vigilância Ambiental, Núcleo de Fatores Não Biológicos, e o Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen- PB), realizam nos dias 7,8, e 9 de maio no Centro Formador de Recursos Humanos (Cefor) a Oficina sobre a Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Contaminantes Químicos (Vigipeq). A oficina é voltada para os apoiadores e digitadores das quatro macrorregionais do Estado, e tem como objetivo formar multiplicadores nas gerências regionais para qualificação de técnicos das secretarias municipais.

A Vigipeq é coordenada pelo Núcleo de Fatores Não Biológicos da SES e atua na área relativa aos riscos a saúde pública decorrentes da presença de contaminantes químicos nas águas subterrâneas e superficiais, no solo e no ar. Ela está estruturada na SES em três componentes: o Vigiar, que cuida das populações expostas a poluentes atmosféricos, o Vigiquim, que cuida das populações expostas a substâncias químicas prioritárias e o Vigisolo, que cuida das populações expostas ou sob-risco de exposição a solos contaminados.  “No Estado da Paraíba o Vigiar encontra-se em fase de implantação onde 100% dos municípios preencheram o instrumento de identificação para municípios de risco que tem por finalidade auxiliar o gestor do Vigiar na identificação dos municípios prioritários”, disse a chefe do Núcleo de Fatores Não Biológicos da SES, Hylda Lucena.

Ainda segundo Hylda, o enfoque da oficina será para o Vigisolo, que tem por objetivo principal identificar fatores no ambiente, de risco a saúde que possam estar afetando as populações que estão expostas ou sob-risco de exposição a solos contaminados. No estado da Paraíba foram identificadas, de 2004 a 2012, 94 áreas sob suspeita de contaminação, em 38 municípios. “Não podemos confirmar que existe a contaminação porque não existe a confirmação laboratorial. Desta forma, existe a preocupação da SES no sentido de desenvolver junto aos municípios ações preventivas e de controle de doenças que possam acometer essas populações”, disse.

Os técnicos da SES realizam atualmente visitas aos municípios onde são realizadas a identificação das áreas de risco e cadastramento no Sissolo (Sistema de Informação a Populações Expostas a Solos Contaminados). “Através deste cadastro é possível o monitoramento da saúde destas populações e desta maneira podemos dar prioridade às ações de Vigilância”, ressaltou Hylda.

A Oficina sobre a Vigilância em Saúde de populações expostas a contaminantes Químicos será realizada das 8h às 17h, com aulas práticas e teóricas onde serão abordados temas como Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Contaminantes Químicos, Sistema de Informação de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado e Plano de Trabalho para Implantação do nos municípios.