Fale Conosco

26 de outubro de 2015

Governo realiza capacitação em Economia Solidária



Foi encerrado, na sexta-feira (23), o 3º Módulo do Curso de Formação de Gestores Públicos em Economia Solidária. A capacitação foi promovida pelo Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh) e da Secretaria Executiva de Segurança Alimentar e Economia Solidária (Sesaes), com apoio da Incubadora de Empreendimentos Econômicos e Solidários (Incubes).

O tema abordado nesse último módulo trouxe uma reflexão no âmbito da economia solidária e planos territoriais. O intuito desse módulo foi instigar e fortalecer a economia solidária nas diferentes regiões da Paraíba, a partir de atividades formativas com os servidores e gestores públicos, consolidando iniciativas governamentais voltadas à economia solidária e a sua articulação com as demais políticas sociais e setoriais.

Com carga horária de 16 horas-aulas, o curso foi realizado no Auditório da Reitoria da UFPB, em João Pessoa. Quinze representantes de diferentes áreas dos municípios paraibanos participaram da conclusão.

O treinamento já foi concluído no Sertão (Pombal), Cariri (Sumé) e agora na Zona da Mata em João Pessoa, em breve haverá um Seminário Estadual sobre Políticas Públicas de Economia Solidária.

Conforme Vanderson Carneiro, coordenador da Incubes e professor de Gestão Pública da Universidade Federal da Paraíba, o principal objetivo desse módulo foi ressaltar a importância de políticas públicas, como materializar e sensibilizar os gestores, para reconhecer ações dentro do poder público. O 3º modulo trouxe uma oficina que fez cada gestor refletir como instrumentos públicos, ações, projetos, programas, plano territorial, sobretudo operacionalizando as prioridades e demandas.

Para a concluinte Mônica Ervolino coordenadora do Cras do munícipio de Cabedelo, o curso foi muito bom, trouxe diretrizes direcionadas para alinhar os gestores e as políticas públicas nessa linha da Economia Solidária. Importante também porque vem à proposta de construir coletivamente algumas linhas de ações, como por exemplo, a criação de um plano territorial para Zona da Mata de forma coletiva. A expectativa é que possamos levar para o município ações voltadas para essa área de inclusão produtiva.