João Pessoa
Feed de Notícias

Dia D da Vacinação contra a gripe em Cabedelo neste Sábado

sábado, 26 de abril de 2014 - 16:14 - Fotos:  Ricardo Puppe/Secom-PB

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou neste sábado (26), das 9h às 17h, o Dia D de Vacinação contra a Influenza. A mobilização aconteceu na Praça Getúlio Vargas, em Cabedelo, com várias atividades como distribuição de pipoca e algodão doce, apresentação de grupo de dança formado por alunos de uma escola do município, pula-pula e personagens infantis.

Todos estes artifícios lúdicos foram utilizados para chamar a atenção do público-alvo da campanha, principalmente crianças com idade entre seis meses a menores de cinco anos, além de idosos, gestantes e mulheres com até 45 dias após o parto. Em todo o Estado, a 16ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou na terça-feira (22) e segue até 9 de maio.

A dona de casa Rosiele da Silva logo que viu o movimento tratou de levar o filho Renan, de 2 anos e 3 meses, para se vacinar. “Tenho muita preocupação em manter as vacinas dos meus filhos sempre em dia, pois dessa forma eles não adoecem”, falou.

O aposentado Severino Júlio de Oliveira, de 76 anos, aproveitou para trazer a filha mais nova, Janile, de 3 anos. Os dois foram vacinados. “Antes eu tinha muita gripe, mas depois que passei a me vacinar nunca mais fiquei doente, e fazendo isso com a criança, evita dela ter problemas”, disse.

Segundo a chefe do Núcleo de Imunização da SES, Isiane Queiroga, em 2013, dos 223 municípios paraibanos, 31 não atingiram a meta do Ministério da Saúde e Cabedelo foi um deles. Por conta disso, o município se antecipou e procurou a SES para solicitar que o Dia D fosse realizado naquela cidade.

“Este ano esperamos atingir a meta de vacinar 13.095 usuários, o que significa 80% do público-alvo e vamos dar bastante ênfase ao idoso. Aqui em Cabedelo acontecem muitas internações por conta de gripe e aproveito para parafrasear um professor que tive: ‘saúde não tem preço, mas tem custos’. Portanto, com essa vacina a gente pretende diminuir os custos com internações e cuidar da saúde da nossa população”, disse Jairo George Gama, secretário de saúde do município de Cabedelo.

Durante a abertura oficial do Dia D, o prefeito de Cabedelo, Leto Viana, destacou a importância da parceria com o Governo do Estado e agradeceu aos profissionais de saúde do município pelo empenho no trabalho.

A secretária executiva da SES, Cláudia Veras, também ressaltou a parceria com os municípios. “Nós da Secretaria de Estado da Saúde estamos trabalhando para que todos os 223 municípios atinjam a meta. Para isso, oferecemos a divulgação, logística, distribuição dos insumos e outras ações de integração com as cidades”, lembrou.

Em todo Estado, são mais de dois mil postos de vacinação entre fixos e volantes, com envolvimento de aproximadamente 6 mil profissionais. O público-alvo na Paraíba é de 946.099 pessoas e a meta da Secretaria de Saúde do Estado (SES) é vacinar 80% desta população, considerada de risco para complicações por gripe.

A campanha de 2014 tem como novidade a ampliação da faixa etária infantil, que era de seis meses a dois anos e agora passou a ser até menores de cinco anos.

Além das crianças, também serão imunizadas pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. As pessoas portadoras de doenças crônicas não-transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais também devem se vacinar. Para esse grupo, não há meta específica de vacinação.

Doses – Serão distribuídas pouco mais de 1 milhão de doses da vacina, que protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde para este ano (A/H1N1, A/H3N2 e influenza B).

As pessoas com doenças crônicas devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receber vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

Campanha – Com o tema ‘Vacinação contra a gripe: você não pode faltar’, a campanha do Ministério da Saúde para este ano orienta cada público prioritário a procurar os postos de vacinação no período da mobilização.

A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou, até mesmo, óbitos. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Reações adversas – Após a aplicação da vacina podem ocorrer, de forma rara, dor no local da injeção, rubor inflamatório e endurecimento do tecido. São manifestações consideradas benignas e na maioria das vezes seus sintomas passam em até 48 horas. A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para quem tem alergia grave relacionada ao ovo de galinha e seus derivados.

Prevenção – A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Ocorre também por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). Em caso de síndrome gripal, deve-se procurar um serviço de saúde o mais rápido possível.

“A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus, por isso, as medidas de prevenção são muito importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto”, disse a chefe do Núcleo de Imunização da SES, Isiane Queiroga.

É importante lembrar que mesmo as pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe, especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações, devem procurar imediatamente o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.