Fale Conosco

13 de junho de 2016

Governo promove 2ª etapa da Campanha Estadual de Busca de Sintomáticos Respiratórios nas Unidades Prisionais



A 2ª etapa da Campanha de Busca de Sintomáticos Respiratórios está sendo realizada nas Unidades Prisionais de Campina Grande e Cajazeiras pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio das Gerências Executivas de Vigilância em Saúde e de Atenção à Saúde, em parceria com a Secretaria de Administração Penitenciária e a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campus de Campina Grande. Durante a campanha são realizadas atividades alusivas à tuberculose, como oficinas com os profissionais de saúde, avaliação dos privados de liberdade e coleta de escarro naqueles casos que apresentarem sintomas e teste rápido para HIV. A 2ª etapa começou em maio e acontece até o final deste mês de junho.

Em Campina Grande, a campanha ocorre na Penitenciária Regional Raimundo Asfora (Serrotão) e nas Penitenciárias Padrão (Máxima) e Feminina. Em Cajazeiras, a ação está acontecendo na Penitenciária Padrão do município. No total, serão avaliadas 1.690 pessoas privadas de liberdade.

“Todas as pessoas serão avaliadas. No entanto, a coleta do escarro só será realizada naquelas que apresentarem os sintomas de tosse há mais de duas semanas, febre e perda de peso. Nos casos onde haja a confirmação do diagnóstico para tuberculose, é iniciado o tratamento e o acompanhamento por meio das equipes de saúde que trabalham nas unidades prisionais”, explicou a chefe do Núcleo de Doenças Endêmicas da SES, Lívia Borralho.

Na população em geral, o sintomático respiratório (principal estratégia para o controle da tuberculose) é aquela pessoa que tosse há mais de três semanas. Na população privada de liberdade, esse período reduz para 15 dias.

A 1ª etapa da campanha foi realizada nos meses de setembro e outubro de 2015 em 18 Unidades Prisionais, onde foram examinados 6.599 privados de liberdade. Desses, 345 fizeram coleta e foram identificados 34 casos de tuberculose. Alguns já concluíram o tratamento e outros estão em acompanhamento pelas equipes de Saúde Prisional.

A realização da campanha nos serviços prisionais contempla parte das ações de vigilância programadas pelo Núcleo de Doenças Endêmicas para o ano de 2016, que visam melhorar a captação precoce dos casos de tuberculose.

A doença – A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta, prioritariamente, os pulmões, embora possa acometer outros órgãos. É uma doença que tem cura e tratamento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos grandes problemas no que diz respeito ao tratamento é a sua interrupção. “A frequência de abandono do tratamento leva a resistência aos medicamentos e, dessa forma, dificulta a cura”, disse Lívia.