Fale Conosco

28 de novembro de 2013

Governo oferece testes rápidos e faz campanha para fortalecer prevenção à Adis



Profissionais de saúde e membros de ONGs realizarão testes rápidos de detecção de HIV, hepatite B e C e sífilis entre 8 e 13h deste sábado (30), na Praça Rio Branco, no centro de João Pessoa.

A atividade integra a programação organizada pela Secretaria de Estado da Saúde para a mobilização do Dia Internacional de Combate à Aids – que transcorre no domingo (1). Neste dia, a equipe fará o mesmo trabalho a partir das 7h, no final da Avenida Beira Rio, na orla do Cabo Branco.

No local serão instalados estandes para atender as pessoas com a testagem rápida e distribuição de preservativos. A atividade será feita em parceria entre o Governo do Estado, instituições não governamentais e a secretaria municipal de Saúde.

De acordo com a chefe do Núcleo de DST/Aids e Hepatites Virais da SES, Ivoneide Lucena, é importante que as pessoas que não fizeram o teste, procurem realizá-lo, pois muitas pessoas que têm HIV acabam só procurando os serviços quando já estão doentes. “É importante procurar o diagnóstico para, caso o resultado seja positivo, a gente possa encaminhar o tratamento adequado o quanto antes”, disse Ivoneide.

Dados – Durante o ano de 2013 a SES mobilizou uma força-tarefa para implantar o teste rápido na Atenção Básica, com o objetivo do diagnóstico precoce. Foram realizadas várias ações de testagem rápida para as populações vulneráveis, pessoas privadas de liberdade, profissionais do sexo, homossexuais, travestis, como também para a população em geral.

De acordo com dados da SES, em 70% dos municípios paraibanos já existe o teste rápido, e só este ano 314 pessoas que fizeram essa testagem foram diagnosticadas com o vírus da Aids na Paraíba. De 1985 até o momento, 5.412 pessoas, entre adultos e crianças, foram diagnosticadas com HIV no Estado. Até o mês de outubro, 2.905 adultos e 29 crianças estavam em tratamento.

Os locais de atendimento para Aids/HIV são o Hospital Clementino Fraga e o Hospital Universitário Lauro Wanderley (HU), em João Pessoa, o Hospital Universitário Alcides Carneiro e o Serviço de Atendimento Especializado (SAE), em Campina Grande, os SAE Municipais de Santa Rita, Cabedelo e Patos, além da 9ª Gerência Regional de Saúde, em Cajazeiras. “O atendimento no interior é realizado por infectologistas nos SAE municipais, e a cada três meses o paciente é encaminhado para o Clementino Fraga, em João Pessoa, para a coleta de CDS e carga viral”, explicou Ivoneide.

Prevenção – Segundo a chefe do Núcleo de DST/Aids e Hepatites Virais da SES, mesmo com todo o esforço e divulgação por parte do Ministério da Saúde para conscientizar a população da importância da prevenção, muitos ainda não usam camisinha. “Quando a Aids chegou no Brasil era diferente, as pessoas tinham muito medo da doença, que era associada à pessoas muito magras. Hoje é diferente. Temos medicamento gratuito para a Aids, a população tem acesso a esse medicamento e a doença se tornou uma doença crônica. Devido a isso, as pessoas acabam não tendo mais medo, principalmente a população jovem, que acaba ficando nas festas, muitas vezes fazendo uso de álcool, fazem sexo sem camisinha. Isso acontece muito com os jovens hoje, eles esquecem da importância da camisinha”, disse a gerente.

Ivoneide lembrou que, em alusão ao Dia Mundial de Combate à Aids, 2 milhões de preservativos serão distribuídos em todo o Estado.