João Pessoa
Feed de Notícias

Governo lembra Dia Estadual de Combate ao Fumo com ações de saúde

terça-feira, 15 de março de 2016 - 17:59 - Fotos: 

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizou nesta terça-feira (15), no Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa, uma série de atividades em alusão ao Dia Estadual de Combate ao Tabagismo, que é comemorado todos os anos no dia 15 de março. A programação começou às 8h se estendendo até 11h30, com o objetivo de trabalhar a prevenção do tabagismo e oferecer orientações de tratamento.

Entre as ações, foram ofertados testes de espirometria (mede a função pulmonar); Fagerstrom (avalia o grau de dependência à nicotina) e monoximetria (avalia a concentração de monóxido de carbono no ar expirado); além de orientações sobre os malefícios do tabagismo e distribuição de material educativo.

De acordo com a chefe do Núcleo de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da SES-PB, Gerlane Carvalho, a receptividade foi extremamente positiva. “Ações como esta levam informação para a população, visando uma melhor qualidade de vida a todos. Aproveitamos datas pontuais para oferecer nossos serviços de saúde em pontos estratégicos, como é o caso do Hospital Universitário Lauro Wanderley. Trabalhamos, acima de tudo, com prevenção, mas também conduzimos os fumantes aos locais de referência de tratamento no Estado e informamos onde devem buscar ajuda profissional”, disse.

A secretária do lar Maria de Lourdes Rodrigues tem 52 anos e há cinco casou com um fumante. “Meu marido fuma desde os dez anos de idade – hoje ele tem 54. Atualmente ele fuma duas carteiras de cigarro por dia e já foi diagnosticado com úlcera, conseqüência do vício. Aproveitei a vinda no Hospital Lauro Wanderley para fazer os exames, já que sou fumante passiva, e pegar orientações profissionais para estimular meu marido a parar de fumar”, relatou.

Gerlane Carvalho comentou que muitos fumantes já conhecem os malefícios que o uso contínuo do cigarro pode causar. “Geralmente, quem fuma já sabe o mal que o cigarro faz, mas continua fumando – seja por falta de estímulo, carência de apoio familiar ou psicológico, ou por falta de motivação. O Governo do Estado qualifica frequentemente profissionais de saúde para a implantação do Programa Nacional do Controle do Tabagismo, com atendimentos realizados em cada município”, informou.

O Programa desempenha abordagem cognitivo-comportamental, acolhendo os fumantes em grupos e prestando apoio psicológico – associado ou não à medicação – através de encontros semanais (durante quatro semanas).  “Nestes encontros os profissionais questionam o motivo que leva a pessoa a fumar, há quanto tempo ela fuma e a quantidade de cigarros por dia. Através das orientações profissionais e o estímulo de motivação, muitas pessoas deixam de fumar até mesmo sem ajuda de medicamentos”, afirmou Gerlane.

Por meio de exames, o profissional de saúde avalia o grau de dependência da nicotina e, durante o processo de desvinculo do vício, o fumante passa pelo período de abstinência. “Geralmente, o paciente passa por um período de ansiedade excessiva, nervosismo, além de sudorese e outros sintomas que são normais quando se entra em abstinência da nicotina. Com o acompanhamento profissional e o compartilhamento de experiências, esse período se torna menos penoso”, declarou ela.

As atividades do Dia Estadual de Combate ao Tabagismo foram realizadas por meio de parcerias com a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa; Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa); Associação Médica da Paraíba (AMPB); Conselho Regional de Medicina (CRM); Sociedade Paraibana de Pneumologia; Sociedade Brasileira de Cardiologia/Região Paraíba; Liga os planos de saúde – que vão desenvolver atividades alusivas em seus respectivos espaços, também no dia 15 de março – Unimed, Afrafep, Cassi e Geap.

Dados – O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta – cerca de 1 bilhão e 200 milhões de pessoas – seja de fumantes.

De acordo com estimativas do Instituto Nacional do Câncer, a Paraíba possui hoje 453.546 fumantes (11,5% da população) e, destes, 89.784 estão em João Pessoa.

Em 2014, em todo o Estado, 389 pessoas morreram vítimas de câncer de pulmão. Em 2015, este número subiu para 410. Já em 2016, 20 óbitos por câncer de pulmão foram contabilizados.

Tratamento – Na Paraíba, existem hoje 37 Centros de Referência para Tratamento dos Fumantes, onde se pode buscar apoio para se livrar do vício em nicotina. O serviço é oferecido em Unidades de Saúde da Família; em Centros de Atenção Psicossocial (Caps); Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais); Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) e Centros de Saúde. Em alguns casos, os pacientes abandonam o cigarro com menos de um mês de acompanhamento.

 Referência – Os hospitais de referência no Estado no combate aos tipos de câncer relacionados ao uso do tabaco – pulmão, esôfago e laringe – são o Napoleão Laureano; Oncoclínica e Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa; e Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (Fap) e Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC), em Campina Grande.