Fale Conosco

9 de julho de 2012

Governo investe mais de R$ 800 mil na distribuição de medicamentos para asma



O Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (Cedmex) atende a 3.128 usuários que sofrem de asma no estado da Paraíba, distribuindo, de forma totalmente gratuita e de acordo com o Protocolo Clínico estabelecido pelo Ministério da Saúde, seis tipos de medicamentos especializados no controle e tratamento da patologia, com um gasto mensal de R$ 67,9 mil.

A diretora geral do Cedmex, Gilcélia Maria Menezes, informa que são distribuídos pelo Cedmex os antiasmáticos Beclometasona (com 5 apresentações), Budesonida (com 4 apresentações), Fenoterol, Formoterol (com 6 apresentações), Salbutamol e Salmeterol. “Para obter os medicamentos, gratuitamente, o paciente diagnosticado com asma deve procurar o Cedmex munido de Laudo de Solicitação de Medicamentos de um especialista (pneumologista), termo de consentimento, prescrição médica, exame de Espirometria, além de RG, CPF, comprovante de residência e cartão do SUS”, explica.

Gilcélia informa que alguns destes medicamentos também são oferecidos pelas redes de saúde dos municípios, através dos PSFs e Distritos Sanitários, e pelo Governo Federal através do Programa Saúde Não Tem Preço.

Em junho deste ano, os antiasmáticos brometo de ipratrópio, dirpoprionato de beclometasona e sulfato de salbutamol também passaram a ser distribuídos gratuitamente para os paraibanos, através das 277 farmácias conveniadas ao programa Aqui Tem Farmácia Popular. Até o dia 4 de junho, o Governo Federal arcava com 90% do custo dos remédios e os consumidores com 10%. A partir daí, a União assumiu a contrapartida que era paga pelo cidadão e passou a oferecer, de graça, os três medicamentos, assim como o Cedmex já fazia.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em um mês, o número de pacientes asmáticos atendidos na Paraíba, através do programa Aqui Tem Farmácia Popular, passou de 66 para 140, após a gratuidade. Para fazer uso do serviço, basta ir até uma farmácia conveniada com o CPF, documento com foto e a receita médica válida da rede pública ou particular.

Dados do Sistema Único de Saúde (SUS) revelam que, em 2011, 4.167 pacientes que sofrem de asma foram internados na Paraíba, sendo que 1.346 deles eram crianças de 0 a 6 anos de idade.

A pneumologista e diretora técnica do Complexo Hospitalar Arlinda Marques, Cecília Sarmento, informou que 16% das crianças atendidas no ambulatório do hospital apresentam diagnóstico de asma. No setor de urgência do Arlinda Marques, o índice sobe para 25%. “A asma é uma  doença crônica mais comum na infância que causa dificuldade na entrada e principalmente na saída de ar no pulmão. Essa dificuldade na respiração acontece devido a um processo inflamatório crônico das vias aéreas inferiores (inchaço e estreitamento brônquico) causando uma limitação variável do fluxo aéreo”, explica.

Entre os sintomas da doença estão: dispnéia (cansaço); crise de sibilância (chiado), aperto no peito e tosse. De acordo com a médica, é importante a informação sobre a evolução da doença para os familiares, pois pode contribuir para menor morbidade e mortalidade.

Os fatores de riscos e causas da doença são: infecções virais (IVA), ausência da amamentação, exposição ambiental à poluição, fumaça, poeira doméstica, pó de giz, odores fortes, produtos químicos, mudança de temperatura, exercício físico, RGE (refluxo gastro-esofágico), corantes, medicações, ansiedade, entre outros.  Além disso, o fator hereditário também pode influenciar na ocorrência da doença. Se os pais do paciente sofrerem de asma, as chances da criança adquirir a doença é de 50%. A probabilidade cai para 25%, se apenas um dos progenitores sofrer da patologia.

Outros dados – Em 2010, foram registrados, na Paraíba, 8.755 casos de internações relacionadas ao tratamento de doenças crônicas das vias aéreas inferiores, que englobam patologias como a asma e enfisema pulmonar. Já no ano seguinte, este número caiu para 7.652. Até março deste ano, o número de internações chegou a 1.315.

De acordo com dados da Gerência Operacional de Resposta Rápida, da Secretaria de Estado da Saúde (SES), de 2006 a 15 de julho deste ano, 361 pessoas morreram vítimas de asma na Paraíba. Foram 145 do sexo masculino e 216 do feminino. A faixa etária mais atingida é de 80 anos e mais com 128 óbitos, seguido de 70 a 79 anos,  com 79 mortes e de 60 a 69 com 51 óbitos.

Serviço – O Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (Cedmex) fica localizado na Rua Jesus de Nazaré, s/n, em Jaguaribe, João Pessoa. Mais informações podem ser obtidas através do telefone 3218.5900. O serviço também está disponível em todas as Gerências Regionais de Saúde de referência do usuário.