Fale Conosco

10 de abril de 2013

Governo incentiva criação de cooperativa de produtores de leite



emater criacao de Gado vaca leite em Itatuba Foto Antonio David (5)Agricultores familiares produtores de leite de Santa Cecília, região administrativa da Emater de Campina Grande, a partir de agora, vão poder comercializar os derivados lácteos de forma organizada. Com o apoio e o assessoramento do Governo do Estado, por meio da Emater Paraíba, será instalada na segunda-feira (29) a cooperativa de produtores de leite do município. O evento culminará com o Festival do Leite de Santa Cecília.

A estiagem prolongada, o elevado preço da ração concentrada, a presença de atravessadores, a falta de pastagem, o baixo preço dos produtos lácteos, aliada às exigências do mercado consumidor, foram alguns dos fatores que levaram as famílias agricultoras a optarem pela fundação de uma cooperativa, com intuito de buscar alternativas para amenizar os problemas enfrentados.

Com um rebanho de aproximadamente quatro mil cabeças e 400 criadores, Santa Cecília é um dos maiores produtores de leite bovino do Estado, com uma produção diária de 600 litros de leite, o que garante a fabricação de quarenta mil quilos de queijo de qualho por semana. O produto é comercializado em várias cidades da Paraíba e de Pernambuco.

Para o gerente da Emater local, o engenheiro Agrônomo Ailton Francisco dos Santos, a união dos agricultores familiares em cooperativa vai permitir enfrentar os problemas e garantir a sua permanência no campo. “É por meio da organização que os agricultores obtêm respostas para suas dúvidas e fazem valer seus direitos”, completou.

Apesar da seca que castiga grande parte dos municípios paraibanos, Santa Cecília, segundo o técnico da Emater local, é uma das poucas cidades que ainda não registraram mortes de bovinos até agora.

Curso – Os 32 agricultores familiares que integrarão a Cooperativa dos Produtores de Leite de Santa Cecília estão participando de um curso sobre cooperativismo, ministrado pela assessora estadual da Emater e tecnóloga em cooperativismo, Vitória Vítor. Com uma duração de 60 horas/ aula, o curso, que foi dividido em cinco módulos – Sensibilização para o cooperativismo, Cooperativismo básico, Formação de cooperativa, Gestão compartilhada e Gestão de cooperativa. A formação termina no dia 29 de abril, na ocasião da inauguração da cooperativa.