João Pessoa
Feed de Notícias

Governo elabora projeto de ressocialização ambiental em presídios

quinta-feira, 11 de abril de 2013 - 09:45 - Fotos:  Secom-PB

O Governo do Estado, através da Secretaria da Administração Penitenciária (Seap), está elaborando o projeto de socialização e ressocialização ambiental “Muda Vida”, que consiste na implantação de um viveiro de mudas nas unidades prisionais para arborização das cidades onde existam presídios. O projeto piloto está em fase de experiência no Complexo Penitenciário do Serrotão, em Campina Grande, onde mais de 100 mudas já estão sob os cuidados dos apenados.

A proposta do governo é realizar os trabalhos em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), o Ministério Público, o Tribunal de Justiça, prefeituras municipais, a Rede Brasileira de Jardins Botânicos e a Associação Socioambiental Consciência Cidadã, de Campina Grande, que já está repassando orientações básicas aos detentos.

O projeto visa oferecer formação técnica e ecológica aos apenados, ao tempo em que ajuda a diminuir o déficit de árvores nos municípios. Em Campina Grande, a ideia inicial é manter e proteger a área de preservação permanente do Louzeiro. “Através desse projeto, o Governo do Estado dá uma contribuição enorme em duas necessidades urgentes no Brasil: a preservação do meio ambiente e a ressocialização de apenados. São dois campos de atuação que nós, brasileiros, não podemos deixar de fazer algo para melhorá-los’, disse o secretário da Seap, Wallber Virgolino.

Os presos que cumprem pena em regime semiaberto também serão incluídos nesse trabalho, plantando em vários pontos da cidade as mudas tratadas pelos presos do regime fechado. “Para isso, contaremos com o apoio e a orientação da Prefeitura de Campina Grande, mostrando quais os pontos ideais para esse plantio. A ideia pode servir ainda como pena alternativa para as pessoas que forem condenadas por crimes ambientais”, acrescentou Wallber.

Serrotão – No Complexo Penitenciário do Serrotão, o viveiro já conta com mudas de craibeira, ipê, pau-ferro, pau-brasil, catingueira, mangueira, oliveira, caju, acerola e romã. De acordo com a Associação Socioambiental Consciência Cidadã, somente em Campina Grande o projeto tem condições de produzir até 10 mil mudas por ano.