Fale Conosco

24 de outubro de 2012

Governo e MPT fazem parceria para inclusão social de pessoas com deficiência



O Governo do Estado e o Ministério Público do Trabalho celebraram, nessa terça-feira (23), em Campina Grande, o início de uma parceria com o objetivo de promover a inclusão social com a inserção de pessoas portadoras de necessidades especiais no mercado de trabalho. A união de esforços foi discutida na reunião entre o secretário da Interiorização e da Ação do Governo, Fábio Maia, e o procurador do Trabalho, Marcos Antonio Ferreira de Almeida.

O secretário relatou o trabalho do Estado, por meio da Fundação Centro de Apoio Integrado ao Portador de Deficiência (Funad), no trabalho de capacitação das pessoas portadoras de deficiência e atuação junto às empresas para o cumprimento da lei das cotas. Ele também citou que o Departamento de Trânsito (Detran) está contratando, através de seleção pública, 19 pessoas com deficiência para trabalhar no órgão, em Campina Grande.

“A reunião foi bastante proveitosa. É mais uma parceria que garante a inclusão social dentro de várias possibilidades. Uma delas é a inserção no mercado de trabalho da pessoa com deficiência. Desta forma, o Ministério Público do Trabalho será parceiro do Governo do Estado, por meio da Funad, com cursos de capacitação, além de conscientização e sensibilização das empresas em cumprir a lei de cotas”, ressaltou Fábio Maia.

O procurador do Trabalho, Marcos Antonio, também fez uma avaliação positiva do encontro. “A reunião visou instituir uma parceria entre o Governo do Estado e a Procuradoria do Trabalho em Campina Grande. O objetivo é fomentar políticas públicas de apoio à pessoa com deficiência do ponto de vista da qualificação profissional, levando a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho de modo a promover a inclusão social deste público-alvo”.

O representante do MPT adiantou que será realizada uma atualização do cadastro das pessoas com deficiência para verificar a demanda delas em relação ao mercado de trabalho. “Enquanto isso, o Ministério Público efetuará também um levantamento das empresas que, por imperativo legal, precisam cumprir a cota prevista em lei no sentido de admitir pessoas com deficiência”, explicou o procurador.