João Pessoa
Feed de Notícias

Governo e CDC dos Estados Unidos apresentam resultado preliminar de pesquisa sobre microcefalia na Paraíba

quinta-feira, 31 de março de 2016 - 21:12 - Fotos:  Francisco França/Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho se reuniu, na tarde desta quinta-feira (31), na Fundação Casa de José Américo, com representantes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos (CDC), para apresentar os resultados preliminares da pesquisa de caso-controle sobre microcefalia feita na Paraíba em parceria entre o Governo do Estado, Ministério da Saúde e o CDC. Também participaram do encontro, a vice-governadora Lígia Feliciano, a secretária da Saúde, Roberta Abath, a coordenadora da Rede de Cardiologia Pediátrica da Paraíba, Sandra Mattos, o cônsul dos Estados Unidos em Recife, Richard Reiter, e outras autoridades na área da saúde.

Na ocasião, Ricardo enfatizou que o Estado foi pioneiro nas pesquisas em relação à microcefalia, buscando dar resposta aos questionamentos da população. “Demos todas as condições para que esta primeira etapa da pesquisa fosse realizada aqui na Paraíba. Estamos começando uma caminhada, mas ainda temos que buscar entender o universo de casos onde a zika não se relaciona com a microcefalia. As dúvidas ainda são enormes, nossa expectativa é continuar universalizando o conhecimento, porque a troca de saberes é fundamental para ambas as partes. Continuamos à disposição dos Estados Unidos e queremos conhecer os resultados finais que ainda sairão desta pesquisa”, disse.

O estudo na Paraíba teve início no dia 22 de fevereiro, contando com oito equipes de campo que realizaram um monitoramento de mais de 600 mães e bebês, com e sem microcefalia na Paraíba. O estudo de caso-controle foi feito por meio de coleta de dados, entrevistas e realização de exames em crianças com microcefalia, além de bebês saudáveis e suas respectivas mães.

A pediatra e epidemiologista do CDC, Erin Staples, apresentou os resultados preliminares obtidos na pesquisa de campo realizada na Paraíba. De acordo com a médica, mais de 600 mães e bebês foram objetos do estudo caso-controle. Entre os bebês, 52% são do sexo feminino e 48% do sexo masculino, na faixa-etária de 0 a 7 meses. Segundo ela, a primeira etapa da pesquisa mostrou, preliminarmente, que a microcefalia atinge mais os bebês de mães que tiveram a zika durante o primeiro trimestre da gestação. Além disso, não foi encontrada nenhuma evidência que associe níveis de renda ou escolaridade com a microcefalia, o problema ocorre em classes sociais e níveis escolares variados. O estudo também não encontrou nenhuma associação da microcefalia com a exposição de produtos como inseticidas. Erin Staples ainda explicou que a próxima etapa da pesquisa será feita nos Estados Unidos com a análise das amostras de sangue coletadas nas mães e bebês paraibanos. Somente após esta fase, os resultados finais serão divulgados.

“O momento é de agradecimento pela parceria com êxito que tem uma etapa concluída hoje. Esta união de esforços entre a Paraíba, Estados Unidos e Ministério Público trouxe uma contribuição pioneira para o mundo. Estamos celebrando o trabalho de equipes que unidas realizaram um estudo com ética, responsabilidade e profissionalismo”, disse a secretária da Saúde, Roberta Abath.

“Esse é um exemplo do que pode ser feito com a união de pesquisadores de diversas partes. Sem o empenho das equipes, nosso estudo não seria possível. Agradeço ao Governo do Estado, às famílias que abriram suas portas para as equipes e permitiram o êxito desta etapa da pesquisa”, ressaltou a representante do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do Governo Americano, Amy Dubois.

O representante do Ministério da Saúde, Eduardo Ágile, enfatizou a relevância da parceria da Paraíba com os Estados Unidos na busca de contribuir com os estudos sobre zika e microcefalia. “Em nome do Ministério da Saúde venho agradecer a participação da Paraíba, que junto com o CDC dos Estados Unidos se envolveram na execução dessa pesquisa de campo. O estudo se deu de forma ágil, ética e eficaz. As dificuldades foram superadas por todas as equipes que unidas deram passos importantes na busca por respostas para o problema que preocupa o mundo”, frisou.