Fale Conosco

22 de agosto de 2011

Governo do Estado vai construir escola técnica no Sertão



O prefeito Carlos Rafael Medeiros de Sousa (PTB) e o presidente da Câmara Municipal de Cajazeiras, vereador Marcos Barros de Sousa, formalizaram a doação ao Governo do Estado de uma área de 13.200 m² para a construção da Escola Técnica Estadual na cidade de Cajazeiras. Doado por meio de escritura pública sem encargo aos cofres estaduais, o terreno foi desmembrado de uma área urbana de 83.000 m² localizada às margens da rodovia BR-230, no quilômetro 494.

No ato da entrega da documentação ao governador, o prefeito Carlos Rafael lembrou que tão logo tomou conhecimento do desejo manifestado por Ricardo Coutinho de construir em Cajazeiras uma Escola Técnica Estadual, tomou as providências necessárias para que a área fosse doada para o Estado no menor espaço de tempo possível. O processo incluiu levantamento topográfico, inspeção de equipe técnica do Governo para conferir a viabilidade da área para a construção da escola, elaboração de projeto, aprovação por parte do Poder Legislativo, sanção por parte do prefeito, publicação oficial da lei e, por fim, a entrega do documento ao governador.

Com a posse da área passada oficialmente para o Estado, o governador Ricardo Coutinho afirmou que pretende tornar realidade a implantação da Escola Técnica Estadual no mais breve espaço de tempo possível. Ele observou que o projeto tem por base a parceria do Governo do Estado com o Ministério da Educação e Cultura, e lembrou que na última segunda-feira (15) esteve reunido com o ministro Fernando Haddad, oportunidade em que reforçou a importância do projeto para a região de Cajazeiras e defendeu celeridade no andamento do processo.

“Acredito que, com essas escolas técnicas, cerca de 15 que iremos construir, e com a transformação de outras escolas que já estão construídas em escolas de ensino técnico e profissionalizante, nós estaremos dando à Educação o tamanho que ela precisa ter dentro do Estado”, ressaltou.

Segundo observou, há algumas áreas que têm muito mais empregos disponíveis e salários maiores do que os próprios salários de empregos de nível superior. “Hoje a lógica se inverteu, e o Brasil precisa se adaptar a essa realidade, que é a realidade da Coreia, da China, dos Estados Unidos, da França, da Inglaterra, onde o ensino técnico, ou a formação de mão-de-obra técnica, é superior à formação de mão-de-obra universitária”, comentou o governador.