Fale Conosco

15 de maio de 2015

Governo do Estado prepara Caravana do Coração em 13 municípios



O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde e em parceria com a Organização Não Governamental (ONG) Círculo do Coração do Recife, se prepara para realizar mais uma Caravana do Coração. Esta é a terceira vez que o evento acontece na Paraíba e, nesta edição, que será realizada no período de 29 de junho a 11 de julho, 13 municípios serão contemplados.  Nesta terceira caravana os municípios beneficiados são: Itaporanga, Cajazeiras, Sousa, Catolé do Rocha, Pombal, Patos, Princesa Isabel, Sumé, Esperança, Picuí, Guarabira, Itabaiana e Mamanguape.

O público-alvo da caravana, que vai contar com a participação de cerca de 40 profissionais, são crianças de 0 a 12 anos e gestantes com idade gestacional de 22 a 28 semanas que apresentem algum tipo de cardiopatia ou problemas oriundos de cardiopatias, a exemplo de febre reumática, sopro, cianose, taquicardia e desmaios em crianças; e nas mulheres, problemas como diabetes clínica, ultrassonografia com suspeita, outro filho com cardiopatia, má formação fetal entre outros.

A secretária de Estado da Saúde, Roberta Abath, destacou a importância do Círculo do Coração dentro do Estado.   Para ela, essa parceria tem contribuído para que  o Governo do Estado possa oferecer um atendimento qualificado e eficiente às crianças cardiopatas paraibanas e mostra também que o Estado tem capacidade de realizar procedimentos cirúrgicos de alta complexidade e, nesse caso específico,  em crianças com problemas cardíacos. “Agora essas crianças não precisam mais sair da Paraíba em busca de um atendimento especializado em outros centros, como acontecia eM um passado não muito distante”, destacou a secretária.

O coordenador estadual da Rede de Cardiologia Pediátrica e também
instrutor dos cursos, Cláudio Régis, explicou que a terceira Caravana do Coração, além da assistência, a exemplo da primeira e segunda caravana, mantém o perfil de capacitação profissional. Ele disse que a Caravana do Coração terá na sua grade o Curso de Transporte do Recém Nascido de Risco, Assistência de Enfermagem ao Recém Nascido e Reanimação Neonatal, além do Auxiliar da Reanimação Neonatal. Os cursos estão voltados para os profissionais que atuam na saúde nos vários níveis de assistência.

“A Caravana, no seu perfil de capacitação, tende a deixar melhor preparados os profissionais dos vários níveis de assistência, o que resulta na melhor qualidade da assistência e faz com que sejam positivos os resultados quanto aos serviços oferecidos, resultando em redução da morbimortalidade materna e neonatal”, destacou Cláudio Regis.

De acordo com o diretor geral do Complexo de Pediatria Arlinda Marques, que é o hospital de referência da Rede de Cardiologia Pediátrica PB\PE, Bruno Leandro de Souza, a realização de mais essa Caravana do Coração mostra mais uma vez a preocupação do Governo do Estado em expandir os serviços na área de cardiologia infantil e, nesse caso específico, levando saúde com qualidade e eficiência às crianças paraibanas.

“As ações de saúde não se restringem apenas a Capital, mas a todos os municípios paraibanos onde o Governo do Estado vem ampliando a sua rede de atendimento com a construção e reforma de hospitais e de outras unidades de saúde que estão equipadas com o que há de mais moderno na área de saúde e com profissionais qualificados para prestar uma assistência com qualidade e eficiência a toda a população paraibana”, destacou o diretor.

A presidente do Círculo do Coração, Sandra Mattos explica que a Caravana do Coração tem por objetivo realizar um mutirão de triagens, consultas e exames cardiológicos com ajuda de uma equipe multidisciplinar de profissionais de diversas áreas. A  III Caravana, que terá também a duração de 2 semanas,  objetiva aumentar o número de pacientes atendidos e capacitações através de um maior contingente de profissionais”, observou.

Maria José de Souza Gomes Galvão, assistente social do serviço de Cardiologia do Arlinda Marques, explica que com essa Caravana do Coração as crianças não precisam vir à capital.  “Elas serão avaliadas no próprio município ou o mais próximo de sua cidade, mas, antes de serem avaliadas pela equipe da caravana, essas crianças passam por uma triagem prévia pela equipe das cidades referenciadas e, constatando alguma suspeita de cardiopatia ou tendo cardiopatia definida, essa criança será encaminhada para ser avaliada na Caravana  e se indicada cirurgia irá para lista de espera”, explicou  a assistente social.

Balanço – Em 2013,  foi realizada a 1ª Caravana do Coração.  “Foram 9 dias de viagem e neste período realizamos  4.608 atendimentos nas áreas de Enfermagem, Cardiologia, Ecocardiograma, Psicologia, Nutrição, Serviço Social, Arte Terapia, Ausculta Cardíaca e Eletrocardiograma totalizando o número de 4.608 atendimentos”, explicou Sandra Mattos.

Ano passado aconteceu a 2ª Caravana do Coração no Estado da Paraíba, que visitou 13 municípios com duração de 14 dias e desta vez com 40 profissionais.  ​Nesta Caravana, foram  realizados  9.171 atendimentos nas mesmas áreas da primeira caravana. Foram ainda realizadas capacitações em reanimação neonatal, transporte e cateterismo umbilical para 495 profissionais de saúde.

Outros dados – A Rede de Cardiologia Pediátrica (PB\PE) realizou nos últimos três anos cerca de 80 mil triagens neonatais. Ainda de acordo com os dados, nesse mesmo período, foram realizadas 7 mil consultas e ecocardiogramas, 800 capacitações profissionais, além de 330 cirurgias no Complexo de Pediatria Arlinda Marques, na Capital, referência na área, e mais 62 outras cirurgias, no Recife, de pacientes cardiopatas paraibanos. A Rede de Cardiologia Pediátrica (PB\PE) é fruto de um convênio assinado  entre o Governo do Estado e o Círculo do Coração de Pernambuco no dia 17 de outubro  de 2011.

De acordo com os dados apresentados pela  assistente social  do  serviço de Cardiologia do Arlinda Marques,  Maria José Souza Galvão, somente em 2014, o Arlinda Marques realizou 4.555 atendimentos, dentre estes,  2.622 consultas ambulatoriais, 102 procedimentos cirúrgicos  e 1.831 ecocardiogramas.

A Rede hoje cobre quase 85% dos nascimentos da rede pública de maternidades.  A Paraíba é pioneira no projeto do Círculo do Coração e oferece assistência de qualidade à população, desde o atendimento ambulatorial até a alta complexidade. A Rede de Cardiologia Pediátrica é financiada com recursos da Secretaria de Estado de Saúde e surgiu da necessidade de melhorar o atendimento em cardiologia pediátrica no Estado.

O serviço  também atua na capacitação dos profissionais do sistema público de saúde, em especial neonatologistas, ultrassonografistas, pediatras e enfermeiros, visando o diagnóstico e tratamento das doenças cardíacas em crianças. As equipes são treinadas para realizar a triagem neonatal por oximetria de pulso, exame feito nas primeiras 24 horas de vida do bebê, capaz de detectar doenças cardíacas congênitas. O exame mede a saturação de oxigênio no sangue. Nos casos em que é detectada alguma anormalidade, os bebês são encaminhados para realizar exames mais aprofundados. Também é feita triagem neonatal com ecocardiograma realizado pelo neonatologista, com supervisão de um cardiologista online. Além disso, contam com toda a assistência clínico-cirúrgica dos médicos ligados ao Círculo do Coração de Pernambuco.

O diretor geral do Hospital Arlinda Marques, Bruno Leandro de Souza explicou que antes desse convênio, muitas crianças tinham que se deslocar para outros estados porque a Paraíba não disponibilizava  de um  serviço especializado. Havia o diagnóstico tardio, falta de serviços para realização das cirurgias, deterioração clínica, processos judiciais, entre outros pontos. Assim, os gastos com transporte aéreo, tratamentos em outros estados, eram altos chegando a R$ 1 milhão para um único paciente.

Ele disse também que a  criação da Rede de Cardiologia Pediátrica PB\PE mostra a  preocupação do Governo do Estado com a saúde das crianças, em especial as cardiopatas.  “Essa parceria está sendo muito importante, haja vista que hoje a gente faz cirurgias de alta complexidade e com isso contribuindo para diminuir a mortalidade de crianças com problemas cardíacos em nosso Estado”, comentou  o diretor, ao destacar que a cada ano o Hospital Arlinda Marques vem conseguindo aumentar o número de cirurgias cardíacas. “Essas cirurgias aumentaram não só em quantidade, mas também em qualidade, ou seja, casos mais graves estão sendo operados aqui na Paraíba”, observou.