João Pessoa
Feed de Notícias

Governo do Estado lança revista Piriah em Campina Grande nesta sexta-feira

sexta-feira, 27 de maio de 2016 - 10:29 - Fotos:  Secom-PB

A Secretaria de Estado da Cultura da Paraíba (Secult) lança a Revista Piriah nesta sexta-feira (27), às 18h, no Cine São José, localizado próximo à Praça do Trabalho, em Campina Grande. A primeira edição da revista é uma propositura da Secult e surge como uma ação do Governo da Paraíba.

De caráter institucional, ela foge do simples marketing de ações governamentais e se apresenta através da arte e cultura enquanto reflexo da realidade paraibana. Sistematizada a partir da Assessoria de Imprensa, a medida que sai o primeiro número carrega várias promessas, principalmente destacar produção artística, difundindo experiências culturais e visibilizando uma sociedade, muitas vezes, engolida apenas pelo fazer/produzir eventos culturais.

No conjunto de seus colaboradores estão pessoas das mais diversas áreas como poetas, comunicólogos, gestores e professores. Entender a Piriah é discorrer sobre o território no qual ela está inserida, sobretudo em suas dimensões que contrasta o erudito e o popular, mas perpassa pela a realidade de vida dos ciganos que aqui vivem. Ressalta palcos e cenários fotográficos de performance, de representação estética e de valor artístico, cuja participação da sociedade passa a discutir corpo e cidade.

A revista conquista a política cultural, disserta contornos de um Sistema Estadual de Cultura, delineia os diversos olhares dos movimentos sociais da cultura, ali representada no periódico. Este é o primeiro passo. Propor uma representação histórica de uma memória seletiva da produção artística e cultural do Estado da Paraíba.

Segundo Lau Siqueira, secretário de Estado da Cultura e idealizador da revista, “o projeto inicial era de uma revista no mínimo bimestral, mas a conjuntura econômica nos empurrou para a semestralidade. O importante é garantirmos um espaço para o debate estético, principalmente, fora das publicações oficiais que algumas vezes buscam apenas estratégias de convencimento”, concluiu.