Fale Conosco

22 de setembro de 2016

Governo do Estado inaugura Sala de Parto Humanizado do Hospital Geral de Queimadas



ses sala de parto humanizada na cidade de queimadas foto RicardoPuppe 3 270x191 - Governo do Estado inaugura Sala de Parto Humanizado do Hospital Geral de QueimadasManuela Sofia foi o primeiro bebê a nascer na Sala de Parto Humanizado, do Hospital Geral de Queimadas (a 140 km de João Pessoa), que faz parte da rede hospitalar da Secretaria de Estado da Saúde (SES). O parto foi um sucesso e aconteceu na tarde dessa quarta-feira (21), poucas horas depois da secretária de estado da Saúde, Roberta Abath, ter inaugurado o novo equipamento da unidade de saúde.

A mãe da criança, Stefany Simões, foi a primeira a usufruir dos recursos disponibilizados no ambiente que têm o objetivo de tornar o parto normal num momento único, de troca de amor, carinho e muito cuidado por parte de uma equipe multiprofissional. “Fui muito bem atendida por todos. A parteira ficou dando atenção o tempo todo e minha mãe também ficou ao meu lado. Gostei muito”, disse Stefany.ses sala de parto humanizada na cidade de queimadas foto RicardoPuppe 2 270x191 - Governo do Estado inaugura Sala de Parto Humanizado do Hospital Geral de Queimadas

A Sala do Parto Humanizado é composta do spa gestacional, com um leito, poltrona reclinável e um espaço para as atividades de fisioterapia. Utilizando uma bola suíça e barras na parede, as mulheres fazem exercícios de alongamento; agachamento; massagem e fortalecimento da pelvis, com o objetivo de fortalecer a musculatura para o momento do parto. O local ainda conta com música ambiente; pintura e iluminação apropriadas para a preparação e o espaço, com equipamentos modernos, onde acontece o parto propriamente dito.

A diretora geral do Hospital, Samara Farias, informou que ainda é oferecida acupuntura para as gestantes, para trabalhar a questão da ansiedade e, consequentemente, minimizar a dor. “Tudo isso é possível graças a uma equipe muito empenhada para fazer dar certo. Temos psicólogos; assistentes sociais; obstetras; enfermeiros; técnicos em enfermagem e as parteiras que são responsáveis pelas primeiras avaliações, fazendo o toque, observando se há riscos e encaminhando para o obstetra que atua no momento do parto”, explicou.

Segundo Samara, este trabalho vem sendo implantado há cinco meses e as mudanças já estão acontecendo. “As mulheres tinham um entendimento de fazer somente parto cesáreo. Começamos um trabalho de conscientização sobre o parto normal; oferecemos conversas com psicólogos e o resultado tem sido surpreendente. Fazemos aqui uma média de 190 partos por mês. Antes, eram cerca de 170 cesáreos e 20 normais. Hoje, essa lógica se inverteu”, festejou.

Para a obstetra Thaíse Vilarim, entusiasta da causa, o que há de mais importante é o resgate do protagonismo feminino. “É uma questão maior do que o parto humanizado em si. Trata-se do empoderamento da mulher que, geralmente, é a protagonista de uma vida inteira. Ela já se empoderou do lar; da criação dos filhos e precisa acreditar que é dona do seu corpo”, falou.

Ainda dentro da proposta de humanização, nesta quinta-feira (22) pela manhã, uma equipe do Banco de Leite Anita Cabral promoveu uma capacitação da equipe de saúde, responsável pelos cuidados materno-infantil do Hospital.

“O estabelecimento da amamentação com sucesso deve-se atentar muito para que essa prática ocorra desde o nascimento, e é muito importante que a equipe de saúde que assiste a mulher, já na sala de parto, esteja preparada tecnicamente para apoiá-la. Essa capacitação alia a teoria a uma discussão prática sobre o tema e sua abordagem no cuidado durante o parto e pós-parto, dirimindo mitos sobre a impossibilidade do bebê ser amamentado logo após seu nascimento”, disse a diretora geral do Banco de Leite Anita Cabral, Thaíse Ribeiro.