Fale Conosco

13 de outubro de 2011

Governo do Estado firma parceria com empresa de coleta de lixo eletrônico



O Governo do Estado, por meio da Companhia de Processamento de Dados (Codata), firmou parceria com a empresa RCTEC, que atua na Grande João Pessoa realizando a coleta e a destinação correta de resíduos eletrônicos, para, a partir do dia 24 de outubro, disponibilizar coletores para o descarte responsável de equipamentos estragados ou considerados obsoletos, também conhecidos como lixo eletrônico. A iniciativa está entre as ações que marcarão os 35 anos da Codata, no dia 29 de outubro.

Com a parceria, a partir do dia 24, tanto a sede da Codata, localizada no bairro do Varadouro, como seu Centro de Processamento de Dados (CPD), situado no Centro Administrativo Estadual, em Jaguaribe, serão pontos de coleta de equipamentos inservíveis. Serão disponibilizados coletores que receberão, por exemplo, monitores, impressoras, celulares e CPUs, que acabam amontoados em casa por falta de local adequado para o descarte. Nos piores casos, o lixo eletrônico é jogado em meio ao lixo comum, em terrenos baldios e até em rios, causando sérios prejuízos ao meio ambiente e, o que é pior, grandes riscos à saúde de todos, devido ao material altamente tóxico que fica no interior destes equipamentos.

“Como empresa de tecnologia da informação vinculada à Administração Estadual, temos como dever, além da prestação de serviços à gestão pública, a contrapartida social, principalmente no que se refere ao segmento da tecnologia. O lixo eletrônico já é um dos grandes problemas da humanidade, e não só no âmbito das empresas, mas também para o cidadão comum”, explicou o presidente da Codata, George Henriques.

Sem uso – Segundo Henriques, a cada ano que passa o acesso às novidades tecnológicas está mais facilitado, o que acaba contribuindo para que as antigas aquisições sejam deixadas de lado pelo usuário. “É preciso estar ciente de que um dia a máquina quebrará e, mesmo com a devida manutenção, chega uma hora que se tornará obsoleta e sem serventia. Antes, ter um celular era uma grande novidade; hoje, podemos trocar de aparelho a cada ano – comportamento também verificado em relação a tablets, PCs, notebooks e outros equipamentos”.

Quebrados ou obsoletos, estes equipamentos precisam ser descartados de maneira responsável, entregues a instituições que garantam a destinação correta para os resíduos eletrônicos, principalmente porque a reciclagem destas peças exige manuseio cuidadoso, já que são produtos que contêm mercúrio, chumbo, fósforo e cádmio –  substâncias que podem contaminar o ar, a água e o solo.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil consome por ano mais de 120 milhões de eletroeletrônicos. Pelo menos 500 milhões de produtos se encontram sem uso nas casas dos brasileiros.

Na Grande João Pessoa, somente no último trimestre de 2010, a empresa RCTEC recolheu 40 toneladas de lixo eletrônico. A estimativa para o ano de 2011 é de que sejam recolhidas perto de 80 toneladas.

Campanha Nacional – O Ministério do Meio Ambiente lançou, no último dia 12 de outubro, campanha de conscientização sobre o lixo eletrônico, como celulares e computadores obsoletos e estragados, para as populações de Brasília, Belo Horizonte, São Paulo e do Rio de Janeiro. Além de chamar a atenção para o descarte responsável deste tipo de material, ainda disponibilizou coletores em estações de metrô dessas capitais.