Fale Conosco

31 de maio de 2012

Governo do Estado estimula cadeia produtiva do vidro na Paraíba



O negócio do vidro na Paraíba deverá ser incrementado com a instalação de uma empresa de mineração e beneficiamento de sílica, feldspato e calcário, principal matéria prima na fabricação de vidros. A unidade fará parte da Companhia Brasileira de Vidros Planos (CBVP), do Grupo Cornélio Brennand, que se reuniu, nesta quinta-feira (31), com a diretoria da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep), na sede da instituição, para conhecer os procedimentos para instalação da fábrica.

Na ocasião, o executivo pernambucano Paulo Drummond disse que o Nordeste tem o menor consumo per capita de vidro no Brasil com 3 kg/pessoa e o país desponta como um dos mais baixos do ranking no mundo com 8 kg/pessoa. Prevendo uma expansão do negócio da região, o Grupo Cornélio Brennand pretende investir em Caaporã com a instalação da empresa que terá a capacidade instalada de beneficiamento de 800 mil toneladas de sílica por ano. Serão investidos R$ 30 milhões e gerados 40 empregos diretos na primeira fase.

A Companhia Brasileira de Vidros Planos (CBVP) está instalando a primeira fábrica de vidros planos no Nordeste, na fronteira da Paraíba com Pernambuco, que deverá ser entregue até agosto do próximo ano e terá a capacidade instalada de 900 toneladas/dia e faturamento de R$ 500 milhões/ano. Para a sua operação, serão gerados cerca de 370 novos empregos diretos e mais de 1500 indiretos.

“Além da logística pela proximidade com Goiânia, um fator importante para procurarmos a Paraíba foram os incentivos fiscais através da Cinep, potencialidade natural da área numa região rica em sílica (principal componente da areia) e o cenário brasileiro, que tem uma demanda crescente favorável. Pretendemos fortalecer a cadeia produtiva do vidro na região Nordeste”, disse Paulo Drummond.

A presidente da Cinep, Margarete Bezerra Cavalcanti, começou entendimentos com o grupo há três meses e destacou a importância na atração dos novos investidores, que têm grande potencial no mercado. Ela disse ainda que a companhia pretende estimular a organização da cadeia produtiva do vidro com a atração de fornecedores em Caaporã pela proximidade com Pernambuco e disponibilidade de incentivos fiscais e locacionais.

O empresário Túlio César de Paiva Chaves, que está no mercado há 40 anos no beneficiamento de vidro em Pernambuco, participou da reunião na Cinep e pretende ampliar os seus negócios na Paraíba, pois em Cabedelo possui uma empresa de beneficiamento de vidro plano, e agora, pretende instalar uma de beneficiamento de vidro em Caaporã numa área total de 3 hectares, com capacidade para 300 toneladas de vidro/mês e geração de 80 empregos diretos.

Na reunião da Cinep, os empresários puderam conhecer como funciona o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Estadual da Paraíba (Fain) e o procedimento para a instalação dos empreendimentos que começa pela concepção e apresentação do projeto à companhia. Participaram da reunião na Cinep, a presidente da companhia, Margarete Bezerra Cavalcanti, diretora de Operações, Eriene Rafael de Sousa Suassuna, diretor de Desenvolvimento Econômico, Juliano Gorski Antônio, executivos do Grupo Brennand, Paulo Drummond e Henrique Lisboa, além do empresário da Norvidro, Túlio César de Paiva Chaves.