Fale Conosco

22 de maio de 2014

Governo do Estado entrega entreposto para produção de mel no eixo São José dos Ramos a Salgado de São Félix



O Governo do Estado, por meio do Projeto Cooperar e Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), entregam nesta sexta-feira (23), às 11h30, na comunidade Dois Riachos, em Salgado de São Félix, um entreposto de mel, implantado com recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação à Pobreza no Estado da Paraíba (Funcep) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 426,9 mil, que beneficiará inicialmente quase 40 famílias.

A solenidade de inauguração da obra e entrega de duas unidades de extração de mel  contará com a presença do coordenador do Cooperar, Roberto Vital; do secretário da Sedap, Agamenon Vieira da Silva, demais autoridades do governo, prefeitura e instituições parceiras. O evento faz parte da  3ª edição da Jornada de Inclusão Produtiva, iniciativa do Governo do Estado, por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PB) e que acontece em Salgado de São Félix, a partir das 8h00.

De acordo com o coordenador do Projeto Cooperar, Roberto Vital, este é o primeiro arranjo produtivo local da apicultura, integrado por um entreposto e três unidades de extração de mel a ser entregue no conjunto de mais dois entrepostos e 23 unidades de extração de mel, o que envolve recursos de aproximadamente R$ 3,5 milhões só com a infraestrutura da cadeia produtiva do mel em todo o Estado.

As unidades de extração de mel serão destinadas às comunidades rurais de Alagamar e Dois Riachos no município. Elas serão responsáveis pelo recebimento, higienização, filtragem, homogeneização, decantação, rotulagem, armazenamento, expedição e comercialização do produto. A construção do entreposto e das unidades de extração irão provocar um aumento na produção de 20 mil kg de mel/ano.

Para o presidente da Associação dos Apicultores do Município de Salgado de São Félix, Virgínio Félix Alves Filho, os agricultores que exploravam a produção do mel de forma rústica, artesanal, nas suas próprias casas, agora passam a trabalharem de forma organizada e centralizada com instrumentos que vão agregar mais qualidade ao produto. “Fomos capacitados para garantir melhoria em todo o ciclo produtivo que abrange desde a captação ao envasamento”, disse.

Ele lembrou que com a ajuda do Cooperar faz projeção de transformar a associação em cooperativa e poder barganhar melhor preço para o produto que hoje é vendido ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) do município, como também comercializado em Salgado de São Félix e Itabaiana. “Hoje nós só temos agradecer a iniciativa do Cooperar de ter nos apoiado”, lembrou.

Nos tempos áureos da produção de mel, Virgínio contou que individualmente já chegou a produzir 50 mil kg do produto por ano. Por conta da estiagem nos últimos dois anos, ele amargou prejuízos, mas agora pretende retomar e alavancar a produção.

O apicultor de Salgado de São Félix narrou que a busca pelo mel começa no apiário onde ficam as nogueiras (caixas em madeira ou outro material), que, por sua vez, abrigam os favos de mel. Essas caixas são dispostas nos lugares considerados chaves para os apicultores, onde a cada 15 dias realizam inspeção para checar se os favos já estão prontos para a colheita, isso no período bom de safra.

Após o preenchimento dos favos com o mel, as nogueiras são transportadas para um posto de coleta onde possa ser extraído o produto que ainda passa por uma centrífuga e em seguida, envasado e rotulado, pronto para a comercialização. “Após a coleta do mel, os favos são devolvidos às nogueiras para nova coleta”, disse Virgínio Félix.

O projeto de apicultura em Salgado de São Félix também contou com a parceria do Sebrae-PB que ministrou cursos de capacitação aos beneficiários.