Fale Conosco

7 de agosto de 2015

Governo do Estado discute programa de educação emocional e social



A secretária executiva da Gestão Pedagógica da Educação do Estado da Paraíba, Roziane Marinho Ribeiro, teve um dia intenso de trabalho nesta quinta-feira (6), junto à equipe da organização Inteligência Relacional, em Ribeirão Preto/SP, para acertar detalhes e aprimorar o desenvolvimento da Metodologia “Liga Pela Paz para Famílias e Comunidade”.

Para Roziane, o fato de agregar a família ao ambiente escolar fortalece o diálogo entre as partes, resultando na melhoria do processo de aprendizagem. “A ideia é tomar essa metodologia de educação emocional como política de estado, e não de governo, mesmo porque é responsabilidade da escola estabelecer contato com as famílias, subsidiá-las com informações para que possam intensificar o olhar e a participação na vida escolar de seus filhos. Lembro que vivemos hoje uma crise de valores e a escola se encontra em meio a esse grande desafio. Ela precisa estar aliada às famílias para fortalecer os vínculos”, explicou a secretária.

Ao todo, 627 escolas de todos os municípios do estado, nas 14 Gerências Regionais de Educação (GRE), vão mobilizar 188 mil famílias para participação em oito encontros de fortalecimento comunitário. Os professores, já preparados por meio da formação presencial e continuada, dialogam sobre as dificuldades dos pais em transmitir afeto aos filhos, compartilham estratégias práticas de controle emocional e, ao final dos encontros, cada família recebe um DVD “Emoções na Família- Construção da Paz”, como instrumento de apoio ao enfrentamento da violência e às dificuldades domésticas.

“Esta iniciativa já é uma realidade que está sendo vivenciada desde abril deste ano. Como gestora da educação, venho buscando o caminho da aproximação e do diálogo com as famílias e foi uma grata surpresa a proposta da organização Inteligência Relacional, de trabalhar as emoções junto às famílias das crianças, que já recebem os conteúdos da Liga Pela Paz nas nossas escolas. O Estado já tem alcançado resultados muito positivos com a inclusão da educação socioemocional nas escolas e o reflexo está no relatório de resultados de 2014, quando registramos a redução de 33,5% dos problemas comportamentais e aumento de 29,4% nos comportamentos habilidosos”, completou a secretária.