João Pessoa
Feed de Notícias

Governo discute preço do algodão orgânico para safra agrícola 2016/2017

terça-feira, 31 de janeiro de 2017 - 16:25 - Fotos:  Divulgação

O empresário Ariel Horovitz, da Empresa Norfil S/A Indústria Têxtil, chega à Paraíba, nesta quinta- feira (2), proveniente de São Paulo. O objetivo da visita é discutir com técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PB), unidade integrante da Gestão Unificada (Emepa/Interpa/Emater), e da CoopNatural,  os preços do algodão orgânico para a safra agrícola 2016/2017, no âmbito do Projeto Algodão Paraíba. A reunião começa a partir das 9h, na sede do Instituto de Terras e Planejamento Agrícola do Estado (Interpa), localizado na estrada de Cabedelo.

De acordo com o coordenador de Operações da Emater-GU, Alexandre Alfredo, já estão garantidas pela Norfil para a safra deste ano cerca de cinco toneladas de sementes selecionadas de algodão orgânico branco.  O preço mínimo está orçado em R$ 36,00 a arroba, com possibilidades de acordo de reajuste de preço.

Ele adiantou que, em virtude das chuvas caídas nos últimos dias, os extensionistas junto com as famílias agricultoras beneficiárias, já estão concluindo o calendário de distribuição de sementes para o plantio.  Para aderir ao projeto os agricultores devem atender os seguintes critérios: ser detentor de  Declaração de Aptidão ao Pronaf (Dap),  não utilizar sementes que não sejam fornecidas pela Emater, nem insumo químico na área de produção, além de obedecer a cota por pólo, que é de no mínimo 20 e no máximo 50 agricultores e ainda atender o limite da área de produção do algodão branco, que deverá estar no mínimo a 1000m de distância de áreas de algodão colorida.
Conforme um dos idealizadores do Projeto, o diretor técnico da Emater-GU, Vlaminck Paiva Saraiva, o Algodão Paraíba busca resgatar a história do desenvolvimento do povo nordestino com um grande diferencial por estar baseado nos princípios da agroecologia e da economia solidária. Ele avalia como “uma experiência inovadora de desenvolvimento local sustentável com enfoque participativo na gestão e comercialização, onde é possível as famílias agricultoras discutirem e avaliarem com os extensionistas sobre a melhor época e forma de plantio, a demandar da necessidade real da pesquisa e negociar diretamente com empresas compradoras do algodão.

Resultados – Na safra do ano agrícola de 2015/2016 foram colhidas mais de 11 toneladas de algodão orgânico, comercializadas diretamente com a indústria têxtil. A expectativa para este ano é que a produção atinja uma área plantada de 300 hectares em regime de sequeiro, com rendimento médio em torno de 1.200 por hectare, gerando ocupação e renda no campo.