Fale Conosco

8 de outubro de 2015

Governo discute formalização de cooperativa e projetos da agricultura familiar



A Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Paraíba (Fetraf-PB) vai liderar o processo organizacional da agricultura familiar, que inclua a formalização de uma cooperativa de crédito a partir da organização dos beneficiários proponentes das Alianças Produtivas, linhas de financiamento em fase de negociação entre o Governo do Estado, Governo Federal e Banco Mundial. Esse foi um dos assuntos tratados em reunião, nessa quarta-feira (7), entre o secretário Executivo do Projeto Cooperar, Roberto Vital, acompanhado de técnicos e o presidente da Fetraf-PB, Ednaldo Leite.

O presidente da Fetraf-PB lembrou que na última semana, através de uma visita técnica da Fetraf da região Sul do país, acompanhou alguns projetos implantados pelo Cooperar, como a Unidade de Beneficiamento de Aves Caipiras em Monteiro e outros projetos na agricultura familiar constituídos por jovens e mulheres em Sousa, Sapé e Pombal.“Os representantes da Fetraf-Sul ficaram encantados com a visita. Constataram o nível de organização nos projetos que hoje asseguram uma produção em pleno Semiárido nordestino”, destacou Ednaldo Leite.

Ele ressaltou que o grupo pretende copiar a experiência do abatedouro de aves de Monteiro, coordenado por um grupo de mulheres. O empreendimento é administrado pela Associação Comunitária Vicente de Assis Ferreira de Avicultura Alternativa do Cariri Ocidental Paraibano (Aval) e recebeu investimentos de R$ 532,5 mil do Cooperar e mais R$ 128 mil do Empreender Coletivo para a estruturação de 30 granjas e aquisição de equipamentos e ração. Diretamente, 117 famílias de 24 comunidades rurais foram beneficiadas e hoje abatem em média, no local, 3 mil aves por semana.

O secretário Executivo do Cooperar, Roberto Vital, lembrou que o PB Rural Sustentável terá em seu financiamento, o componente 1 que objetiva aumentar a capacidade das instituições participantes de maior relevância para o projeto (associações comunitárias, Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável e organizações de produtores) a fim de executar as atividades do ciclo de implementação que vai desde a identificação inicial até a operação e manutenção dos investimentos.

Ednaldo Leite argumentou que a intenção da entidade é dialogar com as estruturas que operam as políticas públicas a fim de trazerem melhores condições para os agricultores familiares, a partir do aumento da produtividade no campo.

A Fetraf foi constituída em 2009 e hoje congrega 25 Sindicatos dos Trabalhadores na Agricultura Familiar em 25 municípios, localizados geograficamente em todas as regiões do Estado. Até o fim de novembro, a entidade vai agregar mais dez sindicatos. Segundo levantamento em 2013, a organização contava com a participação de 10 mil agricultores familiares.