Fale Conosco

3 de junho de 2011

Governo decreta situação de emergência no Trauma por 180 dias



O governador Ricardo Coutinho decretou situação de emergência no sistema de atendimento do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena pelo período de 180 dias. A decisão foi publicada no Diário Oficial que circula nesta sexta-feira (3).

O documento assegura ao Governo do Estado tomar uma série de medidas emergenciais garantir o atendimento nos serviços públicos de saúde, entre elas contratar temporariamente profissionais, adquirir bens e ampliar serviços no Hospital de Trauma, como também credenciar junto ao Sistema Único de Saúde serviços e hospitais ou clínicas da rede privada.

Permite ao Secretário de Saúde, Waldson de Sousa, relocar profissionais, mediante a necessidade de urgência e emergência nos grandes hospitais da rede pública estadual, como também autoriza o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Euller Chaves, a convocar servidores públicos militares dos Quadros de Oficias da Saúde da Polícia Militar, para prestarem serviços no Hospital de Trauma, até que a escala de plantão esteja regularizada.

Desde o início do movimento grevista, o Governo do Estado manteve a disposição em negociar e buscar soluções benéficas tanto para a categoria como para o Poder Público. Todas as medidas foram viabilizadas para evitar a interrupção do serviço, porém o diálogo e o atendimento das reivindicações não foram suficientes para que a categoria retornasse aos trabalhos. Na última quarta, o Governo se comprometeu a pagar R$ 1 mil por plantão, reivindicação da própria categoria, mas não houve consenso para o fim da paralisação.

O documento também lembra a morte de um jovem, em decorrência da falta de atendimento, após sofrer um acidente automobilístico no último dia 27. Após o fato, Hospital de Trauma abriu uma sindicância para apurar as responsabilidades.

O Governo do Estado sabe da necessidade de oferecer aos cidadãos serviços de saúde eficientes. Mesmo com a grave situação financeira que enfrenta, contratos da saúde que estavam atrasados desde o ano passado foram regularizados, mais de R$ 22 milhões foram repassados para manter os hospitais de médio porte em funcionamento em todo o Estado e ainda vai construir o Centro de Oncologia de Patos, um investimento de R$ 2,5 milhões, seis Centros de Imagem, totalizando R$ 8 milhões e ainda quatro Centros de Hemodiálise nas macro regionais de saúde, com recursos da ordem de R$ 6 milhões.