Fale Conosco

16 de março de 2015

Governo capacita profissionais de saúde dos 223 municípios paraibanos em manejo clínico da chikungunya



O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), promove nesta quarta (18) e quinta-feira (19), em Sousa e Patos, uma capacitação para 400 profissionais de saúde de 89 municípios sobre o diagnóstico e tratamento de pacientes com suspeita da febre chikungunya. Com isso, profissionais de saúde de todos os 223 municípios paraibanos estarão contemplados. Em novembro do ano passado, a capacitação foi ofertada para mais de 600 profissionais de 134 municípios das 1ª e 2ª Macrorregiões de Saúde.

A capacitação acontecerá na quarta-feira, das 8h às 16 h, no Centro de Formação e Treinamento de Professores, em Sousa, para profissionais da 4ª Macrorregião (8ª, 9ª e 10ª GRS). Na quinta-feira (19), será realizada no Sebrae, em Patos, no mesmo horário, para a 3ª Macro (6ª, 7ª e 11ª GRS).

O evento é uma das ações de enfrentamento da doença presentes no Plano de Contingência de Dengue e Chikungunyapromovidas pela SES e tem como principal objetivo treinar médicos e enfermeiros da rede pública e privada de saúde da Paraíba, além de coordenadores de vigilância epidemiológica, passando informações clínicas sobre a doença.

De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde do Estado, Renata Nóbrega, é importante que os profissionais de saúde conheçam os sintomas e tratem especificamente a doença. “É de fundamental importância que os profissionais saibam como diagnosticar corretamente a doença, sabendo diferenciar a chikungunya da dengue. Esses profissionais de saúde serão referência para que o treinamento possa ser ampliado a todos os profissionais do Estado da Paraíba”, disse.

Segundo a gerente operacional de Vigilância Epidemiológica, da SES, Izabel Sarmento, diante de casos autóctones (de origem do próprio lugar) no Amapá, Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal e casos importados, em Pernambuco, é importante essa ação, que qualifica todos os profissionais de saúde, para que diante de um caso suspeito o paciente receba o tratamento adequado.

“Também é importante trazer a responsabilidade para os gestores municipais, pois eles devem manter aquelas ações rotineiras de campo, frente ao mosquito e também responsabilizar a população, pois nesse momento ela é co-participante no processo, uma vez que 80% dos lares apresentam focos do mosquito”, ressaltou Izabel.

A doença – Os sintomas da febre chikungunya são muito parecidos com os da dengue, incluindo dores no corpo, nas articulações, manchas vermelhas na pele e febre de início repentino. O vírus pode afetar pessoas de qualquer idade, mas os sinais e sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. Pessoas com doenças crônicas têm mais chance de desenvolver as formas graves da doença. O vírus causador da febre chikungunya é transmitido pela picada da fêmea de dois mosquitos, o Aedes aegypti, presente em áreas essencialmente urbanas, e o Aedes albopictus, presente majoritariamente em áreas rurais. O mosquito adquire o vírus ao picar uma pessoa infectada e, após um período médio de incubação de dez dias, já se torna capaz de transmitir a doença a um humano.

De acordo com o último boletim da dengue e chikungunya da SES, referente ao período de 1º de janeiro a 3 de março (8ª semana epidemiológica de início de sintomas), foram notificados três casos suspeitos de chikungunya, pertencentes aos municípios de Pombal, Alhandra e Campina Grande, sendo dois deles descartados e um ainda em processo em investigação, aguardando resultado.

A SES-PB informa que todo caso suspeito de chikungunya é de notificação compulsória imediata e deve ser informado em até 24 horas às esferas municipal, estadual e federal, através dos telefones: 0800.281.0023/ 3218-7331/ 8828-2522.