João Pessoa
Feed de Notícias

Governo apoia pesca e resultados animam cooperativa de Cabedelo

quinta-feira, 25 de julho de 2013 - 09:00 - Fotos:  Secom-PB/ Kleide Teixeira

Após cinco dias a 80 quilômetros da costa paraibana, o barco de pesca oceânica ‘Albacora’ retornou, nessa quarta-feira (24), da sua primeira atividade com três toneladas de pescados. O trabalho foi financiado pelo Governo do Estado, com recursos do Empreender-PB. Antes de iniciar o cruzeiro, o barco foi reformado com crédito de R$ 200 mil. A experiência positiva animou os 50 integrantes da Cooperativa de Pescadores de Cabedelo (Unipesca).

Ao todo foram 13 tripulantes, entre pescadores, técnicos e observadores, que aguardaram ansiosos a retomada do ‘Albacora’. Os peixes foram atum, bicuda, dourado e meca, com tamanhos que variam entre 1,5 m a 2 metros. “Foi uma viagem ‘teste’ para sabermos como o barco iria se comportar. Voltamos com uma boa quantidade e garantida qualidade de pescado. Em breve, estaremos novamente em alto mar”, observou o técnico Carlos Alberto Santos, parceiro da Unipesca.

Os cooperados da Unipesca comemoram a volta da pesca oceânica no Terminal Pesqueiro, após anos de luta para reformar os barcos adequados a esse tipo de trabalho. De acordo com o presidente da Cooperativa, Samuel Cunha Monteiro, somente agora, a Cooperativa conseguiu os investimentos necessários para levar adiante seus projetos.

O crédito de R$ 200 mil foi repassado em setembro do ano passado, por meio do Programa Empreender Paraíba. A reforma do barco foi iniciada logo em seguida. A embarcação foi liberada neste mês, pela Capitania do Portos, para a primeira viagem.

O valor financiado cobriu todas as despesas da reforma, serviços de recuperação da área externa e interna, manutenção das máquinas, compra de 40 toneladas de óleo, 50 toneladas de gelo, cabo para âncora, compra de colchões, bateria nova e ainda alimentação para os tripulantes. O técnico operacional que acompanha os investimentos através da linha de crédito Coletivo do Empreender-PB, Thadeu Vinícius, ressalta que os cooperados não possuíam recursos para custear uma pesca deste porte e que ainda há muito a se fazer, mas este início foi importante para todos.