Fale Conosco

31 de julho de 2009

Governo abre Semana Mundial do Aleitamento



 

A emoção de dezenas de mães doadoras marcou a abertura oficial da 18ª Semana Mundial de Aleitamento, que tem como tema ‘Amamentação em todos os momentos. Mais saúde, carinho e proteção’. A solenidade aconteceu às 9h deste sábado na Casa Bela Recepções, no Bairro do Bessa, na Capital. O governador José Maranhão foi representado pelo secretário estadual da Saúde, José Maria de França. O coral Unigente, da Unimed João Pessoa, composto por 60 crianças e jovens com idade entre 8 e 18 anos, apresentou canções para as mães e seus bebês, sob a regência da maestrina Socorro EstrelaDurante. Na ocasião o Governo do Estado serviu um café da manhã.

 

A Secretaria de Saúde do Estado fez a entrega de homenagens a treze empresas e instituições parceiras que contribuem com as campanhas do aleitamento materno na Paraíba. O secretário José Maria de França revelou que a campanha visa incentivar as mães à prática do aleitamento. Ele afirmou que em 2002 haviam no estado 17 hospitais amigos da criança, nos últimos anos alguns fecharam e outros não trabalharam com regularidade o aleitamento materno. Agora, o governo do estado vai retomar esta importante ação que salva vidas.
 

A mãe doadora de leite, Gessiane de Paula Pereira Barbosa, pedagoga, moradora do bairro Cristo Redentor, participou do evento com seu primeiro filho, o bebê Rian, de apenas 44 dias de vida e afirmou que a partir de agora vai sempre doar o leite, por ser um ato de amor e não fazer falta para seu filho. A administradora e mãe de dois filhos, Elen Nunes Silva Lima, doa leite desde o primeiro filho, mora no Bairro dos Estados e hoje está amamentando seu filho João Pedro, de dois meses e meio.

O professor aposentado, João Batista da Silva, ao lado de sua esposa, apresentou sua filha de 7 anos, Elisa Maria, hoje com peso e altura superior à média, mas que nasceu com apenas 600g e 36cm. Passou ainda 72 dias na incubadora do Hospital da Unimed. A pequena Elisa foi salva pela ação das profissionais de um banco de leite materno. Ele agradeceu a Deus e a todos pela vida e saúde de sua filha.

A Capitã do Corpo de Bombeiros Militares da Paraíba, Flávia Villar, destaca que desde 2001 a instituição desenvolve o projeto Bombeiro Amigo do Peito, que consiste no auxilio à captação do leite materno nas residências das mães. Este trabalho é realizado em onze municípios litorâneos, incluindo João Pessoa. Vai ser implantado em breve na cidade de Patos.
 

A jornalista Edna Rodrigues, mãe de duas moças e um rapaz, afirmou que amamentou seus três filhos e há vários anos orienta mães a amamentar e também a doar leite. Edna representou na solenidade a Coordenação Estadual da Pastoral da Criança. A Pastoral desenvolve junto às mães assistidas a cultura da amamentação ao menos até seis meses de vida. “Criança que não é amamentada com certeza tem problemas futuros também na dicção”, revela a jornalista que é vice-coordenadora diocesana e coordenadora da Paróquia Sã Judas Tadeu. Atualmente a comunidade assiste a 237 crianças e 23 gestantes.

A semana, e o Banco de Leite Humano Anita Cabral vão promover palestras e distribuição de material informativo em unidades do Programa Saúde da Família (PSFs) e em empresas que mantêm parceria com o banco de leite. Pelo menos 40% dos bebês que nascem na Paraíba não são amamentados, ou não têm o leite materno como alimento exclusivo, segundo dados do Sistema de Informação Ambulatorial (Siab) do Ministério da Saúde. O aleitamento materno é uma das estratégias mais eficazes no combate à mortalidade infantil, que vitima 30,3 crianças de cada mil que nascem vivas no Estado. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) quer melhorar esse indicador e vai aproveitar a 18ª Semana Mundial da Amamentação para reforçar a importância do aleitamento, nos seis primeiros meses de vida da criança.

Há quase três meses, o Governo do Estado firmou o Pacto de Redução da Mortalidade Infantil, com o Governo Federal e 21 municípios paraibanos que detêm mais de 50% das mortes de bebês no Estado. Comprometemos-nos em reduzir o número de mortes entre crianças menores de um ano em, no mínimo, 5% ao ano. Muita coisa depende dos governos, mas a população também precisa se engajar nesse pacto. As mães precisam amamentar seus filhos. A criança que mama cresce mais forte e tem menos riscos de adoecer e morrer. Sem falar que a mulher que amamenta, tem menos riscos de ter complicações pós-parto, de desenvolver câncer de mama e de ovários e diabetes. São muitos benefícios para um ato tão simples”, lembrou o secretário José Maria.

Cobertura – A gerente-executiva de Ações Programáticas e Estratégicas da SES, Juliana Soares, disse que a SES está empenhada em melhorar a cobertura de aleitamento materno no Estado.

Segundo o Siab, em média, 60% dos bebês são alimentados exclusivamente com leite materno. Mas acreditamos que esse percentual, que é baixo, ainda está superestimado, porque considera os bebês que recebem outros alimentos aliados ao leite materno, o que não é ideal. Isso acontece porque o Siab está em processo de implementação no Estado. Para mudar essa realidade, iniciamos, há um mês, as capacitações dos profissionais de saúde que atuam junto às gestantes e mães que amamentam. Esse trabalho está sendo desenvolvido nos hospitais e na atenção básica.

Também haverá exposição de banners e distribuição de material em agências bancárias. No domingo (2), serão instalados stands nos shoppings Manaíra e Tambiá, que funcionarão das 14h às 18h. Na sexta-feira (7), o Banco de Leite Anita Cabral vai formalizar uma parceria com o Sebrae-PB para ampliar o Projeto Aleitamento Materno nas Empresas.

"Na semana serão intensificados os trabalhos nas maternidades e postos de coleta, com palestras e distribuição de material, não apenas para as mães que amamentam, mas também para as equipes médicas e visitantes”, afirmou Socorro Amaro, diretora do Banco de Leite Anita Cabral e presidente da Comissão Estadual de Bancos de Leite Humano da Paraíba.

Interior – Segundo Socorro, os bancos de leite e postos de coleta do interior do Estado também planejaram atividades para a semana, com palestras e distribuição de folhetos educativos nas unidades básicas de saúde. A Paraíba possui cinco bancos de leite: o Anita Cabral, em João Pessoa, e os que funcionam na Maternidade Cândida Vargas, também na Capital; no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida, em Campina Grande; na Maternidade Peregrino Filho, em Patos, e no Hospital Regional de Cajazeiras.   

A coleta e distribuição de leite humano também são feitas em 12 postos instalados nos hospitais Universitário Lauro Wanderley (JP), Edson Ramalho (JP), Flávio Ribeiro (Santa Rita), Regional de Guarabira, da Clipsi (CG) e FAP (CG), da Unimed (em JP) e da Guarnição (JP); no Instituto Cândida Vargas, na Capital; na Maternidade Frei Damião, em João Pessoa;  na fábrica Demillus, em Santa Rita, e no distrito de Galante (CG).  

Josélio Carneiro, e Assessoria de Imprensa da SES-PB, com fotos de Ernane Gomes, da Secom