João Pessoa
Feed de Notícias

Governador apresenta projetos para combate à seca

quinta-feira, 10 de maio de 2012 - 16:01 - Fotos:  José Marques/Secom-PB

Foto: José Marques/Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho entregou a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Mirian Belchior, durante audiência nesta quinta-feira (10), os projetos prioritários do Estado para reduzir os efeitos da seca que atinge o semiárido paraibano. Os projetos de abastecimento de água, esgotamento sanitário e sistemas de irrigação e barragens representam um investimento de mais de R$ 500 milhões e serão  analisados nos próximos dias pela presidente Dilma Rousseff.

O governador Ricardo Coutinho, acompanhado dos secretários de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, João Azevedo, e do secretário executivo do PAC, Ricardo Barbosa, apresentou à equipe ministerial nove projetos de abastecimento d’água orçado em R$ 147 milhões; 39 projetos de esgotamento sanitário no valor de R$ 300 milhões e outros R$ 54 milhões em sistemas de irrigação, barragens e a recuperação de 45 açudes e barragens no semiárido paraibano.

A ministra Mirian Belchior destacou que o encontro possibilitou identificar as obras prioritárias que possam ser feitas no prazo máximo de um ano e meio e que foquem o combate à falta d’ água e à seca instalada no semiárido nordestino. “Ainda não temos os recursos disponibilizados para esses projetos de médio porte, mas as informações dos projetos prioritários apresentados pelos governadores nos dão um panorama do que os Estados necessitam. Esperamos na próxima semana estar com os dados consolidados de todos Estados nordestinos para o encaminhamento da presidente Dilma Rousseff”.

Mirian destacou que esse encontro é um desdobramento  da reunião entre a presidente e os governadores, em Aracaju, onde foram discutidas questões mais pontuais que estão em andamento, como distribuição de carros pipa, recuperação de poços e instalação de cisternas.

O governador Ricardo Coutinho relatou a situação dos 170 municípios que estão em situação de emergência na Paraíba e disse que essas propostas prioritárias apresentadas  pretendem criar as condições de convivência diante da seca já instalada. Ele pediu agilidade na liberação dos recursos diante da grave situação da população do semiárido que sofre com a falta de acesso à água e dos agricultores que estão perdendo seus plantios.

Ele também solicitou apoio para 39 projetos de esgotamento sanitário para evitar que as bacias receptoras da transposição do Rio São Francisco no eixo leste recebam esgotos. “Se não conseguirmos realizar esgotamentos sanitários e evitar que estes rios continuem recebendo esgotos, as águas do Rio São Francisco chegariam na Paraíba sem condição adequada para consumo”, argumentou.

A reunião realizada no Ministério do Planejamento, na Esplanada dos Ministérios, contou com as presenças do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro; do secretário executivo do Ministério da Integração, Alexandre Navarro; da chefe adjunta de Assuntos Federativos da Presidência, Francisca Carvalho; do assessor especial da Casa Civil, Adauto Modesto e de técnicos do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Incra e Ministérios das Cidades.

Após a reunião com a ministra, o governador Ricardo Coutinho e assessores participaram de uma reunião com a equipe técnica da Casa Civil,  Ministério do Desenvolvimento Agrário, Integração, Ministérios das Cidades e Incra para agilizar a liberação dos recursos federais para questões emergenciais como disponibilização dos carros pipa, instalação de cisternas, Bolsa Estiagem, Garantia Safra, liberação de sementes e linhas de crédito para agricultores.

Dentro das ações emergenciais estão previstos  para a Paraíba recursos do Água para Todos, que direcionará R$ 32,8 milhões para criação de 270 sistemas simplificados de água, e R$ 8,42 milhões para a construção de 206 barreiros. Ainda dentro das ações estão 15 mil cisternas, o Bolsa Estiagem, o Garantia Safra e crédito agrícola.

Ricardo Coutinho destacou a necessidade do Governo Federal dar celeridade nas questões emergencias para que cheguem efetivamente para o homem do campo neste período de estiagem. “Precisamos garantir o acesso à água, sementes e palmas aos agricultores, porque se eles perderem isso os prejuízos serão enormes”, finalizou.