João Pessoa
Feed de Notícias

Governador inaugura reforma de policlínica e Central de Transplante

sexta-feira, 14 de maio de 2010 - 18:03 - Fotos: 

O governador José Maranhão vai inaugurar, nesta segunda-feira (17), às 10h, a Policlínica Benedita Targino Maranhão ‘Yayá’ do Instituto de Assistência e Saúde do Servidor (IASS), a nova sede da Central de Transplante da Paraíba e o Ambulatório de Transplante, que funcionarão no mesmo prédio, no bairro 13 de Maio, em João Pessoa.

O IASS cedeu o espaço e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) investiu R$ 250 mil na reforma. O esforço conjunto vai garantir a assistência á saúde dos servidores estaduais, aos paraibanos que aguardam por transplantes e aos já transplantados.

A nova sede da Central de Transplante vai melhorar o atendimento aos pacientes que esperam por transplantes de órgão e tecidos, na Paraíba. Em um só espaço, o paciente vai poder fazer exames, receber medicamentos e ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar formada por nefrologista, urologista, hepatologista, cardiologista, pneumologista, psicólogo, assistente social e enfermeiro.

O secretário de Estado da Saúde, José Maria de França, afirmou que a determinação deste Governo é evitar que órgãos continuem sendo dispensados, por falta de estrutura, enquanto centenas de paraibanos aguardam por transplantes. O secretário lembrou que no primeiro ano de administração já houve um investimento na área, que resultou no aumento de 44,73% no número de transplantes realizados.

“Em 2008 foram feitos 152 transplantes. No ano passado, conseguimos chegar a 220. Zeramos a fila para transplante de córneas, mas ainda temos uma fila longa de pessoas à espera de um rim. Não podemos aceitar que órgãos doados sejam dispensados, por falta de estrutura para a realização do transplante”, disse.

Ambulatório – A diretora da Central de Transplante, Gyanna Lys Montenegro, falou sobre a importância do Ambulatório, antes e após o transplante. “Por falta de um ambulatório, a gente ainda se depara com situações que não deveriam existir, como, por exemplo, uma pessoa que espera por um transplante não poder receber o órgão na hora em que surge uma doação, por não está pronta para a cirurgia, porque os exames não foram feitos ou já estão vencidos.
Agora, criamos uma estratégia para agilizar esse processo e também para dar mais conforto e assistência ao paciente transplantando que precisa ser acompanhado e receber medicação”, explicou.

O diretor do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, José Carlos Evangelista, que coordenou as obras de reforma do prédio do IASS, disse que o Ambulatório de Transplante foi projetado para dar mais comodidade ao paciente. “a unidade tem quatro consultórios, uma sala para recepção, uma farmácia, a coordenação e um dormitório para os profissionais. Tudo no mesmo espaço”, disse.

Medicamentos – O diretor-técnico da Central de Transplante, Ronivaldo de Oliveira, explicou que a farmácia, que vai funcionar no ambulatório, será um ponto do Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (Cedmex). “O Cedmex, que fornece os medicamentos necessários para os transplantados, vai prestar o serviço no ambulatório. O paciente – que teria que se deslocar ao ambulatório para fazer exames e acompanhamento – não vai precisar ir até o bairro de Jaguaribe, onde fica o Cedmex, para pegar os medicamentos”, explicou.

O Ambulatório atenderá pacientes de todo o Estado. No local, serão feitas coletas para exames, que serão processados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) e pelo Hemocentro da Paraíba, e o encaminhamento de pacientes para clínicas conveniadas, no caso de exames radiológicos. A unidade fará o acompanhamento dos pacientes cadastrados na Central de Transplante e também vai servir como uma porta de entrada para novos pacientes no Sistema Nacional de Transplante.

O prédio onde, hoje, funciona a Central de Transplante da Paraíba – nas dependências do Hospital de Emergência e Trauma – vai funcionar como sede da equipe de Organização e Procura de Órgãos (Opos) para dar apoio a todos os hospitais e continuar fazendo a captação de órgãos.

Transplantes – Este ano, foram realizados 61 transplantes. Atualmente, 350 pacientes esperam por um transplante de rim, 32 por córnea, 15 por fígado e quatro por coração. “Não chegamos nem na metade deste ano e, até agora, já realizamos seis transplantes de rins. Em todo o ano passado, foram 12. Com relação ao transplante de fígado, conseguimos fazer cinco transplantes, o mesmo número realizado durante todo o ano passado. É bom sempre lembrar que, para ser um doador, não precisa deixar nenhum documento assinado, basta comunicar a família esse desejo e ter a consciência de que o ato poderá salvar vidas”, destacou a diretora da Central de Transplantes, Gyanna Lys Montenegro.   

Ela lembrou, também, que, este ano, houve um incremento no protocolo de conclusão de morte encefálica, depois da criação da Comissão Intra-hospitalar de Captação de Órgãos e Tecidos (Cihdott). “Foram implantadas condições para efetivar o diagnóstico da morte encefálica como a contratação de um neurologista específico para este fim, além de realização de exames de imagem através de equipamentos de última geração, com aparelho para arteriografia e ecodoppler”, ressaltou.

Na Paraíba, as cirurgias de transplante são realizadas em hospitais credenciados pelo SUS e Sistema Nacional de Transplantes. Entre as unidades conveniadas estão a Unimed (para transplantes de coração, fígado, rim e pâncreas), São Vicente de Paula (rim), estes em João Pessoa, e o Antônio Targino, em Campina Grande (rim). Para o transplante de córneas estão credenciados o Edson Ramalho, em João Pessoa; o Santa Terezinha, em Sousa, e algumas clínicas oftalmológicas na Capital e em Campina Grande.

Policlínica – A Policlínica Benedita Targino Maranhão ‘Yayá’ estava funcionando precariamente. Em março deste ano, foi iniciada a reforma do prédio, que agora será reaberto, com uma estrutura para oferecer um atendimento melhor aos servidores público do Estado.

“Teremos três consultórios pediátricos, clínica geral, setor de urgência, psicologia, nutrição, sala para nebulização e imunização e faremos pequenas cirurgias”, disse o diretor do Departamento de Assistência à Saúde do Servidor, Ernesto Silveira Filho. Os atendimentos serão realizados, de segunda à sexta-feira, das 7h às 19h.

Da Assessoria de Imprensa da SES-PB