João Pessoa
Feed de Notícias

Governador inaugura melhorias na Maternidade Frei Damião, em JP

quarta-feira, 12 de maio de 2010 - 16:43 - Fotos: 
A Maternidade Frei Damião, no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa, agora dispõe de UCI, UTI Neonatal ampliada, mais Centro Materno Fetal e se torna referência na Paraíba para gestantes de alto risco. O Governo do Estado investiu R$ 1.659.829,59 em equipamentos e cerca de R$ 300 mil na reforma das instalações físicas. O governador José Maranhão inaugurou todas essas melhorias nesta quarta-feira (12). A Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) tem quatro leitos e a unidade de terapia intensiva materna (UTI) possui outros seis. Diversos parlamentares, secretários do Governo e profissionais da área de saúde participaram da solenidade.

O governador José Maranhão observou que os equipamentos e serviços inaugurados representam “mais uma etapa na modernização do serviço hospitalar público estadual, dentro da visão de oferecer atendimento de qualidade aos pacientes”. Ele destacou que o hospital público tem que ter qualidade para que o cidadão se sinta protegido, respeitado.

“É essa a nossa preocupação: transformar o hospital público tão qualificado quanto o hospital da rede privada”, declarou, lembrando que as unidades de saúde públicas são pagas, construídas com os recursos do próprio contribuinte que tem o direito de receber serviços à altura de suas necessidades. E fez questão de dizer ainda que a legislação determina que os governos apliquem 12% dos recursos em saúde. “Além de cumprir a lei, o governante deve querer, ter vontade de fazer, determinação”, acrescentou.

Referência – O secretário estadual da Saúde, José Maria de França, revelou que os profissionais do setor “devem se sentir orgulhosos hoje, pela referência que é a Maternidade Frei Damião, com uma UTI que vai servir não somente à população de João Pessoa, mas a toda Paraíba. Ela é a única UTI para gestantes”.

Ele lembrou que diversas obras da Secretaria tiveram a parte física concluída em 2002 pelo governador José Maranhão “e, nos seis anos do governo passado, nada foi feito”. Destacou ainda que o Hospital de Trauma, em João Pessoa, “também foi encontrado sucateado em 2009 e hoje já está em pleno funcionamento”.

Assistência de qualidade – O diretor geral da Maternidade Frei Damião, médico Paulo Roberto Dantas, afirmou que a unidade de saúde passa a ser a terceira do Nordeste, depois de Recife e Salvador, a ter UTI só para mães. “A Paraíba dá um passo importante na qualidade da assistência à mulher, o que vai permitir uma redução significativa da maternidade materna no Estado”, destacou.

Com mais de 25 anos de existência, a Maternidade Frei Damião, construída no Governo Wilson Braga, tem hoje mais de 600 funcionários. É um complexo de saúde composto por maternidade, o Banco de Leite Materno, a Unidade de Patologia Cervical e o Centro de Diagnóstico. Por dia, o complexo hospitalar realiza uma média de 300 atendimentos.

O médico Eduardo Fonseca, gestor do Núcleo de Medicina Materno Fetal da Maternidade, revelou que os novos serviços oferecidos pelo Governo do Estado na unidade “são fundamentais e se tornam referência para a cidade de João Pessoa e para o Estado”.

 
A gerente do Núcleo de Enfermagem da Maternidade Frei Damião, Walquíria Costa Souza, comemorou a instalação e entrega dos novos equipamentos. “Nós esperamos isso há muitos anos, a UTI é de primeiro mundo e tem salvado vidas. A Paraíba está de parabéns neste Dia do Enfermeiro”, disse. Na solenidade, o pastor Clóvis Sérgio, fez um pronunciamento destacando “a capacidade de trabalho do governador em benefício dos paraibanos” e agradeceu pelas melhorias no complexo hospitalar.

Atendimentos – Por mês, a unidade, que integra a rede de hospitais mantidos pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), realiza uma média de 300 partos e é a primeira da Paraíba a ter UTI materna. Agora, com esse investimento, a maternidade será de fato a unidade de referência para gestantes de alto risco, na Paraíba.

As instalações da UTI materna e da UCI foram concluídas em 2002, mas não entraram em funcionamento nos seis anos que se seguiram. Nos últimos meses, a SES retomou a obra, fez reforma, pintura, climatização, instalação de tubulação de gases, adequação do sistema hidráulico e equipou as unidades. Segundo o secretário José Maria de França, a partir de agora a unidade está habilitada, de fato, para atender mulheres grávidas com alto risco de complicações e morte, a exemplo de descolamento prévio da placenta, hemorragias e infecções. “O funcionamento dos três setores na maternidade vão melhorar a qualidade do atendimento aos pacientes (mães e bebês) e reduzir o índice de mortalidade materna”, afirmou.

UCI – A UCI é indicada para recém-nascidos que não precisam de ventilação mecânica (disponível na UTI), mas que não podem ficar junto de suas mães, por necessitarem de cuidados semi-intensivos. Na UTI pediátrica são atendidos os bebês mais graves, com insuficiência respiratória aguda, infecções neonatais e prematuros. Na UCI são atendidos os bebês que apresentam desconforto respiratório precoce, por exemplo, e àqueles com alta da UTI, mas que ainda necessitam de cuidados. lembrou.

O Centro de Medicina Materno Fetal já está funcionando há quatro meses, mas não havia sido entregue oficialmente à população e ainda é pouco conhecido, no Estado. É o primeiro serviço público da Paraíba a oferecer atendimento às mulheres com gravidez de alto risco, que são encaminhadas pelas unidades básicas de saúde e hospitais do interior.

O serviço se baseia em um programa desenvolvido pela Fundação de Medicina Materno Fetal, da Inglaterra, que calcula o risco individual de cada mulher para casos de cromossomopatias, como síndromes de Down, de Klinefelter, de Patau e de Edwards. A confirmação dessas suspeitas é feita através de exames, como amnioncentese, biópsia de vilo corial e translucência nucal, que também são oferecidos pelo novo serviço.

No local, as gestantes também podem fazer a dopplervelocimetria, um tipo de ultrassonografia que avalia o bem-estar do bebê, observando a circulação de sangue da mãe para a criança e o fluxo nos vasos do bebê.

Melhorias – A Maternidade Frei Damião tem passado por melhorias desde o ano passado. Foram ampliados o Centro de Diagnóstico do Câncer e a UTI neonatal (4 para 10 leitos). As instalações do Banco de Leite foram recuperadas, assim como o sistema de climatização e as instalações elétricas e hidráulicas. O Centro de Atenção à Mulher foi reformado.

Foram reativados o Programa de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência e o setor de ultrassonografia. Também foi recuperado o refeitório e instalado o sistema de climatização do Banco de Leite e de outros setores da maternidade. Está em obra um novo estacionamento.

Josélio Carneiro, da Secom-PB, e Assessoria de Imprensa da SES/PB, com fotos de Walter Rafael