João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo assina convênio para instalação de empresas em Catolé

sábado, 5 de maio de 2012 - 10:42 - Fotos: 

Foto: Francisco França/Secom-PB

O Distrito Industrial de Catolé do Rocha irá receber, ainda este ano, quatro novas empresas dos ramos de confecções, calçados, metalúrgica e alimentos.  A instalação das empresas, que representam um investimento de R$ 5 milhões, foi garantida na manhã desta sexta-feira (4), com a assinatura de um protocolo de intenções pelo governador Ricardo Coutinho e empresários durante solenidade realizada na Cooperativa dos Produtores de Leite e Derivados (Catoleite), no Distrito Industrial do município.

O protocolo prevê a instalação das empresas Tha Liffe Confecções, Werbena e Comércio, Catoleite e Calçados Glamour no Distrito Industrial. A Tha Liffe e Werbena funcionavam em instalações menores, no centro do município, e ampliam suas áreas estimuladas pelos incentivos locacionais e fiscais oferecidos pela Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep).

Ricardo Coutinho destacou que a Paraíba criou um caminho para o desenvolvimento com seriedade no trato da coisa pública, com regras claras e investimentos em infraestrutura que dão segurança aos investidores.  Ele acrescentou que os resultados desta política já começam a ser sentidos com a garantia de R$ 1,4 bilhão em investimentos privados este ano, um volume 120 vezes maior que o conseguido em 2010.

“Somente em Catolé do Rocha estamos atraindo um investimento de R$ 1,8 milhão com as cinco empresas que já assinaram protocolo de intenções recentemente no Palácio da Redenção para ampliação de suas atividades, além de mais R$ 5 milhões com a assinatura dos novos contratos, hoje, com empresas que se ampliam em estruturas maiores no Distrito Industrial. Isso é algo muito importante para essa região e começa a mudar o perfil da economia, gerando emprego e renda”, disse Ricardo, acrescentando que o Estado fará novos investimentos na infraestrutura do distrito.

A presidente em exercício da Cinep, Eriene de Souza Suassuna, destacou que as empresas vão gerar cerca de 100 empregos diretos e 200 indiretos. Ela informou que o Distrito Industrial de Catolé do Rocha, que conta atualmente com quatro empresas, passará a ter sete, o que representa um incremento de 75%. “Esse investimento de R$ 5 milhões é representativo por gerar empregos e desenvolvimento de uma região pobre. Catolé do Rocha se destaca hoje pela geração de empregos na região, superando o município de São Bento em relação aos contratos formais. Essa expansão do Distrito Industrial e das empresas é importante para o aumento da produção e, consequentemente, da geração de renda na região”, explicou.

Foto: Francisco França/Secom-PB

O prefeito de Catolé do Rocha, Edvaldo Caetano, afirmou que o apoio locacional e fiscal está criando um ambiente favorável para que as empresas ampliem suas instalações e empregos. Ele lembrou que há alguns anos os processos na Cinep ficavam engavetados por muito tempo, o que dificultava o desenvolvimento industrial, principalmente no interior. “Estamos com muita esperança na melhoria da infraestrutura do distrito e na vinda de mais empresas para o município, criando receitas e empregos”, destacou.

O empresário Manoel Pedro da Silva, presidente da Catoleite, agradeceu os incentivos da Cinep, que garantirão um investimento de R$ 550 mil na ampliação e relocação da cooperativa de leite. “Não tenho dúvidas que com os incentivos e o esforço dos cooperados vamos superar as dificuldades e crescer ainda mais”, destacou.

O empresário Francisco de Almeida Brito, da Calçados Glamour, está animado com o momento vivido pela empresa que está investindo R$ 500 mil na instalação de uma nova sede mais ampla e confortável no Distrito Industrial. Ele disse que a empresa foi criada há seis anos e acabou ficando pequena diante do aumento da produção, estoque e estacionamento. “Com as novas instalações esperamos aumentar a produção em cerca de 50%.”, afirmou.

Falta mão de obra – Francisco Almeida disse que a apoio do Governo do Estado será importante para que a empresa saia de 80 para 150 empregos nos primeiros anos. “Temos dificuldade em encontrar mão de obra qualificada na região, mas esperamos superar essa dificuldade com as novas ofertas de cursos a serem oferecidos pelo Governo do Estado e o interesse dos jovens da região em se qualificar para o setor calçadista. Nossa meta é crescer mais para ampliar nossas vendas que hoje estão concentradas na Bahia, Ceará e Paraíba”, explicou.