João Pessoa
Feed de Notícias

Funesc promove shows do projeto Music From Paraíba 2 neste domingo

domingo, 14 de dezembro de 2014 - 09:35 - Fotos: 

 A Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) realiza mais uma rodada de shows com bandas contempladas pela segunda edição do projeto Music From Paraíba 2. A atividade acontece neste domingo (14), a partir das 19h, no Teatro de Arena. As atrações são as bandas Totonho e os Cabra, Burro Morto e DJ Guirraiz. A entrada é gratuita.

Em João Pessoa, os shows do MFP 2 vêm sendo realizados todos os meses, sempre aos domingos, no teatro de Arena.  A expectativa é que, assim como na primeira edição, o projeto consiga circular por outros municípios, para que a música produzida no Estado seja conhecida também pelo povo paraibano. Em 2013, 20 artistas foram selecionados e dez shows foram realizados, inclusive em cidades do interior da Paraíba. Já a segunda edição do projeto selecionou composições de 71 artistas dos mais variados estilos e gêneros musicais.

Burro Morto – É uma banda paraibana instrumental que faz um blend de afrobeat, rock, funk e pscicodelia desde 2007. A formação atual traz Pablo Ramires (congas, caxixis, Roland SPD11, lead synth); David Neves (guitarra); Ruy José (bateria); Daniel Jesi (baixo, sampling); Leo Marinho (guitarra, Korg MS2000). Num ambiente de experimentação criativa livre o Burro Morto dá continuidade à jornada iniciada com o visceral Baptista Virou Máquina, ampliando seu timbre lisérgico e seu groove envolvente. Aqui a música percorre ambientes que transportam o ouvinte por uma viagem com muitas estações, espaços imaginários onde o quinteto paraibano constrói uma paisagem harmônica plural e instigante

O novo single “Lúcifer Colômbia”, que integra a coletânea Music From Paraíba 2, é uma composição inspirada na guitarrada psicodélica peruana dos anos 60, mas em uma roupagem moderna, explorando o uso de samples cortantes, um lead synth agressivo delineando a melodia, o baixo minimalista tecendo o alicerce em conjunto com as congas e o groove pesado de uma bateria acústica que soa quase eletrônica, tudo bem pra frente. “Essa música dá um relance do teor do trabalho novo, no sentido de mostrar um pouco do aprofundamento na mistura de elementos orgânicos, de nossas influências da música africana, do rock psicodélico e do funk com a adição dos sintetizadores e samples, em uma sonoridade mais pesada e dançante” , diz o texto de apresentação da banda.

Totonho – Compositor, produtor e cantor. Totonho nasceu em 1964 na cidade de Monteiro, na Paraíba. Lá, foi vendedor de buchada de bode e assistiu a muitas cantorias de repentistas da região. Foi quando teve seu primeiro contato com a música. “Minha casa vivia cheia de gente, então me acostumei a vê-los pela casa. Com nove anos, Totonho montou a banda Os Renegados, que tocava com latas (guitarra de lata, bateria de lata e afins). “Foi ali que começou tudo e me tornei compositor”, lembra.

Em 1982 resolveu que queria mesmo seguir a carreira de músico. Foi para João Pessoa, onde fundou o Musiclube da Paraíba, uma cooperativa de compositores por onde passaram nomes como Chico César, Milton Dornellas, Jarbas Mariz e os irmãos Pedro Osmar e Paulo Ró, Adeildo Vieira, entre outros. Embora já com 15 anos de estrada, o primeiro registro fonográfico só saiu em 2001 pela Gravadora Trama. Em 2005, lançou o segundo álbum,Sabotador de Satélite,  incluso ainda em duas Coletâneas internacionais da Nova Musica Brasileira selo-Toten França, e o Coletivo Hip Hop do Mundo, Selo África Mundi/U.S.A, produzida pelo americano Malvin Gibson.

Music From Paraíba na Espanha –  Em outubro, a música paraibana aportou na Espanha.  A coletânea MFP 2 foi lançada na 20ª World Music Expo, a WOMEX, festival mundial de música, que neste ano foi realizado em Santiago de Compostela, de 22 a 26 de outubro. Duzentos exemplares do box composto por 4 CDs foram levados ao evento pelas mãos do coordenador de música da Funesc, Arthur Pessoa. Lá, o material foi entregue a produtores, DJs, empresários do segmento, e outros profissionais referências da cadeia produtiva musical, a exemplo de Peter Hvalkof, do Roskide Festival na Dinamarca (um dos maiores festivais de música da Europa), Frans Goossens, do Amsterdam Roots Festival na Holanda e Borkwsky Akbar, da Piranha Music da Alemanha,criador e diretor da WOMEX. Em novembro, a coletânea foi lançada na Paraíba, com shows no Teatro de Arena do Espaço Cultural.

 Segundo Arthur Pessoa, o material paraibano teve uma excelente aceitação na feira internacional, tanto por se tratar de música brasileira e nordestina, que desperta interesse dos profissionais, quanto pela boa apresentação visual da coletânea. “O material que levamos chamou a atenção de todos na feira, sendo um dos projetos mais procurados pelos profissionais da música. Destaco dois fatores que causaram essa boa primeira impressão, o formato do material, em tamanho vinil e também a arte desenvolvida por Silvio Sá que chamou a atenção e atraiu o olhar dos participantes da WOMEX”, comentou.