Fale Conosco

30 de abril de 2014

Funesc participa do Seminário Nacional de Bibliotecas Braille



Promover a inclusão nas bibliotecas públicas do Brasil. Com esse intuito, o Seminário Nacional de Bibliotecas Braille, o Senabraille, está sendo realizado em São Paulo, até esta quarta-feira (30). No evento, a Paraíba é representada pela coordenadora da Biblioteca Pública Juarez da Gama Batista, vinculada à Funesc, Cybelle Macedo, que também é responsável pela gestão do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas da Paraíba.

Estamos participando do Senabraille pensando em trazer boas práticas e experiências ao nosso Estado, especialmente ideias que possam ser aplicadas em nossa realidade, nas bibliotecas e nos equipamentos culturais em geral. A leitura pode ser difundida e precisa ser sem exclusão, assim como outras formas de cultura também precisam ser de fácil acesso para a população”, informou Cybelle Macedo.

Esta edição do Senabraille tem como objetivo dialogar sobre as tipologias das bibliotecas e suas formas de incluir, divulgando práticas bem sucedidas na área de acessibilidade, e compartilhando com os gestores de todo o Brasil que participam do evento. Estão sendo discutidos os seguintes temas: políticas públicas, tecnologias assistivas, acessibilidade em bibliotecas, acessibilidade em cultura e educação, acessibilidade comunicacional, espaços acessíveis, conteúdos acessíveis em bibliotecas e outros espaços culturais.

Também no evento, uma reunião técnica foi realizada com os representantes de estados candidatos à seleção do edital de acessibilidade do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas. Dez bibliotecas em todo o país devem ser selecionadas para receber adaptações estruturais que vão melhorar a acessibilidade nesses equipamentos.

A Biblioteca Juarez da Gama Batista, que está concorrendo ao edital, disponibiliza hoje um acervo composto de mil obras em braille e duzentos audiolivros. Além da biblioteca da Funesc, outros municípios paraibanos possuem livros nesses formatos que são doados pela Fundação Dorina Nowill, de acordo com a coordenadora Cybelle Macedo.

Senabraille - O primeiro Senabraile nasceu da constante preocupação das bibliotecas brasileiras em promover a inclusão. Isso porque os profissionais sempre buscaram cumprir com a missão da biblioteca pública preconizada pela Ifla/Unesco “porta de acesso local ao conhecimento – fornece as condições básicas para uma aprendizagem contínua, para uma tomada de decisão independente e para o desenvolvimento cultural dos indivíduos e dos grupos sociais”.

Com o desenvolvimento da tecnologia ampliaram-se as possibilidades de oferecer conteúdos e outros serviços prestados pelas bibliotecas e outros equipamentos culturais. Mas sabemos que as tecnologias precisam de profissionais capacitados para apoiar as pessoas com deficiência, de modo a selecionar as melhores alternativas e, dessa forma, contribuir com a melhoria da qualidade de vida.

O Senabraille foi pensado há quase vinte anos para ser um espaço de discussão para formular, reunir e realizar troca de experiências entre os profissionais que trabalham nas bibliotecas, sobretudo, para atender o público com deficiência visual ou cegueira.

Mas seu escopo foi ampliado há alguns anos, tornando-o mais amplo: reflexões, programas e projetos levados a cabo pelas bibliotecas e equipamentos culturais para incluir pessoas com deficiência.