Fale Conosco

23 de novembro de 2011

Fundac apresenta plano de ressocialização de adolescentes em conflito com a lei



A Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (Fundac) realizou, nesta quarta-feira (23), na Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba (Espep), uma reunião com representantes de diversos segmentos da iniciativa pública e privada para apresentar o Plano Acordo Social. O objetivo do encontro foi viabilizar parcerias que contemplem os eixos da profissionalização e educação dos jovens que cumprem medidas socioeducativas nas unidades de ressocialização da Paraíba.

Além da presidente da Fundac, Cassandra Figueiredo, e do diretor superintendente da Espep, André Luiz de Souza, participaram da reunião representantes do Instituto de Educação Superior da Paraíba (Iesp) e Faculdade de Tecnologia da Paraíba (FatecPB), Programa de Apoio ao Empreendedorismo da Paraíba (Empreender-PB), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Social do Transporte (Sest) e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat).

Segundo o diretor geral do Iesp e da FatecPB, José Ednaldo Lima, a instituição será solidária ao projeto de ressocialização que vem sendo implementado pela Fundac. A ideia inicial dessa parceria é selecionar estudantes de graduação interessados em estagiar nas unidades de políticas socioeducativas do Estado e desenvolver projetos na área de ressocialização de adolescentes em conflito com a lei.

Já a Espep será responsável por qualificar, capacitar e apoiar todos os técnicos da Fundac envolvidos no projeto. De acordo com o diretor superintendente da Escola, André Luiz de Souza, dois grandes projetos da unidade estarão diretamente envolvidos nessa parceria: o Espep Imersão, projeto que tem como missão imergir na qualificação dos servidores estaduais; e o Espep Itinerante, que irá ajudar na qualificação dos profissionais da Fundac que atuam nas unidades interior do Estado.

As demais instituições foram convidadas a apoiar o projeto por meio de cursos profissionalizantes oferecidos aos próprios internos. “O processo de profissionalização e educação dos jovens contempla um dos mais importantes eixos do Plano Acordo Social, que deverá conter ainda ações culturais, artísticas, familiares e comunitárias”, disse Cassandra.