Fale Conosco

3 de maio de 2009

Famílias desabrigadas pelas chuvas destacam agilidade do Governo do Estado com ajuda humanitária



A agilidade do Governo do Estado em prestar assistência às famílias desabrigadas e desalojadas pelas chuvas tem repercutido muito positivamente entre os beneficiados com cestas básicas, colchões, cobertores, kits de limpeza e outras ações relacionadas à ajuda humanitária. Hoje existem oito cidades em situação de emergência: Patos, Sousa, São João do Rio do Peixe, Triunfo, Poço José de Moura, Catingueira, Poço Dantas e Santarém. Atualmente estão em abrigos 204 famílias de quatro bairros de Sousa e outras em casas de parentes. Em Santarém são 28 famílias em casas alugadas pela prefeitura.

A Defesa Civil Estadual mantém equipes de plantão nas regiões mais atingidas pelas chuvas. Nos próximos dias mais quatro cidades vão ter o decreto de situação de emergência homologado pelo governador José Maranhão. São eles: Uiraúna, Bernardino Batista, Aroeiras e Aparecida.

Em Sousa, uma das cidades atingidas pelas enchentes do Rio do Peixe, lideranças comunitárias e os próprios moradores de bairros que tiveram ruas e casas alagadas, dizem que o governador José Maranhão de fato agiu e está agindo de maneira rápida com operações emergenciais.
 
Francisco de Assis Lopes, conhecido por Françoar e líder comunitário do bairro Várzea da Cruz, revelou nesta quinta-feira que a comunidade ribeirinha teve diversas casas atingidas pelas águas do Rio do Peixe e 28 famílias estão em abrigos. Ele afirma que surpreendeu a todos a rapidez com que o Governo do Estado através da Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Secretarias do Desenvolvimento Humano e da Saúde, prestou socorro às vítimas com cestas básicas, medicamentos, colchões, lençóis e outros benefícios.

“A avaliação que a gente faz é que a ação do Governo tem sido muito boa. Dentro da urgência o governador Maranhão agiu rápido porque no ano passado a enchente foi maior e o ex-governador não esteve em Sousa, o seu vice sequer desceu do carro, com medo da água”, disse Françoar. Já o governador Maranhão agora em abril visitou a área alagada em Várzea da Cruz.

O líder comunitário acrescentou que os moradores do bairro Várzea da Cruz aguardam, agora, por parte do Governo do Estado, que sejam construídas novas moradias para aquelas famílias atingidas pelas enchentes, até porque não há condições de continuar morando nas casas de taipa construídas praticamente no leito do rio.

A dona de casa Maria Gorete da Silva, abrigada com a família na escola municipal Maria Eurita, afirmou:“Foi muito bom o que o governo fez por nós, senão a gente estava ainda dentro da lama, lá. Agradeço de coração o que o governador fez, já recebi cesta básica, medicamentos, graças a Deus”. Maria Francinalda Bezerra da Silva, também da Várzea da Cruz, agradeceu pelos benefícios recebidos nas horas mais necessitadas. Ela também afirmou que a melhor ação do Governo vai ser a construção de uma nova casa para sua família e para as outras.

A mãe de família Maria Jeane Batista, outra moradora da Várzea da Cruz, confirmou que recebeu os mantimentos e que a solução para sua vida será mesmo uma nova casa e acrescentou: “Eu queria muito que viesse casa para a gente porque há um ano atrás prometeram e até hoje nosso quarto continua do mesmo jeito dentro d’água e espero que agora, confiando em Deus e no governador Maranhão nós vamos realizar nosso sonho”.

Maurina Maria da Conceição, moradora da comunidade do Campinho, outra área alagada em Sousa, avaliou que a cesta básica e os outros benefícios entregues pela Defesa Civil estão sendo de muito proveito para sua família e para todos os desabrigados.

O senhor Francisco Rodrigues de Sousa, também da cidade de Sousa, sobre a ajuda humanitária fez a seguinte declaração: “Eu até fiquei admirado porque a ajuda o ano passado chegou muito atrasada e nós recebemos a feira lá no centro de treinamento e agora não, eu recebi aqui na porta. Louvo ao Senhor e fico feliz, agradeço primeiramente a Deus e segundo ao governador por nos socorrer”.

O líder comunitário dos bairros Guanabara e Boa Vista, em Sousa, Everaldo Marques Formiga, conhecido por Toró, socorreu, junto com as equipes da Defesa Civil, as famílias. Em nome dos moradores dos dois bairros ele revelou: “A gente tem muito a agradecer ao governador José Maranhão pelo trabalho que tem feito aqui em Sousa especialmente pela agilidade porque a ajuda chegou na hora que as pessoas mais precisavam de alimentos, colchões, por exemplo”. Toró apelo para que o drama daquelas famílias ribeirinhas seja resolvido com a remoção delas para casas em áreas mais distantes do Rio do Peixe. Há alguns anos as enchentes têm causados danos e transtornos aos moradores das duas comunidades. Cerca de 100 famílias foram atingidas pelas águas.

Antes de Sousa, ajuda comunitária chegou a Patos

A cidade de Patos foi a primeira a sofrer danos com a força das águas, no início de abril. Cerca de 2.000 famílias foram atingidas por conta do temporal. Os bairros do Morro e do Frango foram os mais atingidos. O governador José Maranhão também visitou as áreas mais danificadas e determinou o socorro imediato dos desabrigados.

Nos bairros do Morro e Liberdade o governador esteve em visita conversando com as pessoas e assegurou a assistência às famílias prejudicadas pela enchente. A senhora Isabel Leite de Sousa mora às margens de um canal, no bairro do Morro e sua casa foi uma das mais atingidas. Ela revelou que está grata ao governador pela ajuda emergencial que tem chegado.

A agente comunitária de Saúde, Josefa Costa Menezes, também moradora do bairro do Morro, em Patos, afirmou que a comunidade está sofrendo a terceira enchente por conta de duas barragens particulares que levam o canal a transbordar. Ela disse que o governador José Maranhão e o prefeito Nabor Wanderley têm dado assistência às famílias com cestas básicas e os demais mantimentos. Quatorze casas foram danificadas pelas enchentes. A comunidade aguarda uma solução para o problema, revela Josefa Costa.