Fale Conosco

7 de maio de 2009

FAC implanta nova distribuição do programa Pão e Leite



A Fundação de Ação Comunitária (FAC) está implantando uma nova divisão dos pontos de distribuição do programa "Pão e Leite", em João Pessoa. A idéia é levar o atendimento para locais estratégicos nas comunidades, com o objetivo de facilitar o acesso dos beneficiários ao programa.

Outra medida adotada pela presidente da FAC, Lúcia Braga, é que o agente social trabalhe onde resida, já que, por estar envolvido com a comunidade, pode ter uma atuação mais eficiente e melhorar a performance do programa como um todo.

Segundo informou a diretora de operações da Fundação de Ação Comunitária (FAC), Ana Virgínia Bezerra, antes o programa não era assim. "Um agente social residia numa comunidade e atuava em outra, desconhecendo a realidade local. Alguns tomavam conta de mais de um ponto de distribuição. Dona Lúcia Braga, que conhece as comunidades carentes de João Pessoa, mais do que ninguém, está corrigindo todas as distorções existentes no programa e, com certeza, só quem tem a ganhar são as famílias beneficiárias", enfatizou Ana Virgínia.

Ana Virgínia informou, ainda, que os pontos de distribuição do pão e leite nas comunidades da Capital são gerenciados por agentes sociais. "Parte desses agentes sociais são funcionários efetivos do Estado, cedidos por diversas secretarias. A outra parte, formada por pessoal contratado pelo governo anterior. Após a exoneração dos cargos comissionados, no início do atual governo, permaneceu nos pontos de distribuição do programa, sem autorização da nova direção da FAC, na expectativa de uma recontratação", explicou a diretora administrativa.

Alguns desses agentes sociais exonerados, segundo Ana Virgínia, procuraram a presidente a FAC, Lúcia Braga, e ela marcou uma audiência, para esta quinta-feira, com o governador José Maranhão e o secretário da Administração, Antonio Fernandes, para encontrar uma solução satisfatória para a questão. "O objetivo de Dona Lúcia e do Governo do Estado é não prejudicar ninguém e sim encontrar uma forma de reaproveitar este pessoal", reiterou.