João Pessoa
Feed de Notícias

Exposição itinerante “Narrativas Poéticas” reabre Galeria Archidy Picado

segunda-feira, 15 de junho de 2015 - 17:58 - Fotos:  Secom-PB

Uma exposição de nível internacional, com obras representativas de expoentes do Modernismo e artistas contemporâneos em um ambiente cercado de poesia. Esta é a exposição “Narrativas Poéticas – Coleção Santander Brasil”, uma iniciativa de valorização da cultura brasileira, que o Governo do Estado, por meio da Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) e Secretaria de Cultura (Secult), inaugura nesta terça-feira (16), ao lado do grupo Santander. A mostra, que estará aberta ao público de 17 de junho a 16 de agosto de 2015, utiliza como referência a relação entre artes plásticas e poesia e traz Helena Severo na curadoria geral. A iniciativa marca a reabertura da Galeria Archidy Picado e a coloca definitivamente na agenda do circuito expositivo nacional.

A visita exclusiva para jornalistas aconteceu na manhã desta segunda-feira (15), após entrevista coletiva. Márcia Lucena, presidente da Funesc, destacou que, após a reforma (a primeira de grande porte desde a sua fundação, em 1985), a Galeria Archidy Picado teve sua área expositiva ampliada em 1/3, o que a possibilita receber uma exposição desse porte. Para ela, receber parte do acervo do Santander na Galeria Archidy Picado é um privilégio para a Paraíba, já que se trata de um rebuscado recorte da arte modernista brasileira.

“Através do Santander, abriremos uma janela para um dos períodos mais criativos e autênticos da arte brasileira e sua identidade, e ter contato com obras de artistas da magnitude de Di Cavalcanti, Portinari ou Cícero Dias é um privilégio para nós paraibanos, para  os brasileiros”, disse Márcia Lucena. Ela destaca, ainda, que professores da disciplina de artes da rede estadual receberam treinamento para atuar como monitores durante todo o período da exposição.

“Ninguém passa impune por uma exposição como essa. Quem passa por aqui leva uma bagagem que é para toda a vida”, afirmou o secretário de Cultura, Lau Siqueira, ressaltando que a chegada da mostra a João Pessoa é um momento significativo para as artes visuais.

Objetivo – Com percurso livre, a exposição tem como objetivo levar a arte brasileira a um público amplo e oferecer múltiplas possibilidades de leitura para as obras de seu próprio acervo, com o apoio narrativo de fragmentos de poemas selecionados. A Coleção Santander Brasil, formada pelas obras de arte dos bancos integrados ao grupo, reúne um significativo capital da cultura brasileira. A partir da análise deste conjunto, identificou-se um expressivo núcleo de arte moderna brasileira, além de diferentes manifestações culturais, incluindo arte popular e de cartografia dos séculos XVII ao XIX.

Após anos de rigoroso trabalho de catalogação, conservação, restauro e pesquisa, esta é a primeira exposição itinerante com obras da Coleção Santander Brasil. Entre as 34 obras de 26 artistas que fazem parte da exposição, destacam-se as de expoentes do Modernismo brasileiro, como Candido Portinari, Emiliano Di Cavalcanti, Alfredo Volpi, Tomie Ohtake, Cícero Dias e Gilvan Samico e também alguns trabalhos recentes, de artistas como Tuca Reinés, Fernanda Rappa e Renata de Bonis.

Poesia – O poeta, filósofo e ensaísta Antonio Cícero, em parceria com o também poeta Eucanaã Ferraz, é responsável pela seleção de 40 fragmentos de poemas de 24 grandes poetas brasileiros, como Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, Ferreira Gullar, Alice Ruiz, João Cabral de Melo Neto entre outros. Com destaque para o poeta paraibano Archidy Picado, com o poema No Labirinto, que entra especificamente para a edição em João Pessoa.

Outro diferencial da exposição é a inclusão de obras reproduzidas em alto relevo para vivências táteis de pessoas com deficiência visual. São totens em resina das telas selecionadas, que poderão ser manipulados. As obras escolhidas foram Baile no Campo, de Cícero Dias; Figura, de Milton Dacosta; e Série Amazônica, de Ivan Serpa.

As 34 obras de 26 artistas incluem pinturas, gravuras e desenhos de expoentes do Modernismo e trabalhos de artistas contemporâneos, acompanhadas de 40 fragmentos de poemas de 24 poetas. Em sua passagem pela Paraíba, a mostra destaca o poeta paraibano Archidy Picado, com o poema No Labirinto, que entra especificamente para a edição local. A exposição também conta com obras reproduzidas em alto relevo para vivências táteis de pessoas com deficiência visual.

João Pessoa é a oitava cidade a receber a mostra “Narrativas Poéticas”. O projeto iniciou seu ciclo em 2013 pela capital gaúcha. Depois de Porto Alegre, passou por Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Recife, Fortaleza e Salvador com registro de mais de 245 mil visitantes em todas as capitais.

Coleção Santander Brasil – O Santander Brasil possui em seu acervo obras de significativa relevância para a história da arte brasileira. A coleção de arte é constituída majoritariamente por pinturas (40%) e gravuras (39%) – e em menor número por esculturas, desenhos e outros suportes – de artistas brasileiros produzidas entre 1940 e 1980. Entre os artistas presentes, destacam-se importantes nomes do Modernismo no Brasil, como Brecheret, Di Cavalcanti e Portinari.

A Coleção Santander Brasil possui ainda nomes do Construtivismo, como Milton Dacosta; da Abstração Informal, como Manabu Mabe e Tomie Ohtake; além de artistas singulares, como Iberê Camargo e José Pancetti. Possui um considerável conjunto de obras de artistas imigrantes vinculados à história da arte brasileira e estrangeiros com passagem pelo Brasil, com destaque para a presença dos japoneses (Tikashi Fukushima, Wakabayashi, Kaminagai, Flávio-Shiró). Também estão presentes italianos como Volpi, Fúlvio Pennacchi, além de artistas de outras nacionalidades, como o suíço John Graz, a húngara Yolanda Mohalyi e a polonesa Fayga Ostrower, que tiveram participação importante no cenário nacional, refletindo o multiculturalismo da sociedade brasileira.

O núcleo de gravuras conta com obras de Lívio Abramo, Arthur Luiz Piza, Renina Katz, Maria Bonomi, entre outros.

A coleção vem sendo ampliada com maior intensidade nos últimos dois anos, por meio de aquisições de arte contemporânea brasileira, com trabalhos de nomes celebrados e emergentes como Marcos Chaves, Ana Elisa Egreja, Cássio Vasconcellos, Luiz Braga, Paulo Almeida, Janaína Tschäpe, Oscar Oiwa, entre outros.

Sobre a Galeria de Arte Archidy Picado – Homenageando o professor, poeta, escritor e artista plástico paraibano Archidy Picado, a Galeria de Arte da Fundação Espaço Cultural da Paraíba foi inaugurada em 22 de março de 1985, dias depois de sua morte. O local é um espaço especialmente construído para abrigar exposições individuais e coletivas em todas as categorias das artes visuais, entre escultura, pintura, gravura, fotografia, desenho e instalação, e também para a realização de oficinas. A Galeria de Arte Archidy Picado já recebeu artistas renomados, a exemplo de Maria Bonomi e Anico Herskovicz, dentre tantos nacionais e internacionais. Entre os paraibanos que já tiveram trabalhos expostos no espaço, estão José Rufino, Rodolfo Athayde, Chico Pereira, Alice Vinagre, Raúl Córdula e Simeão Leal.

O poeta e pintor Archidy Picado frequentou os cursos livres do Museu de Arte Moderna no Rio de Janeiro, com foco na atualidade da arte brasileira da década de 1950. No MAM, seus mestres principais foram Ivan Serpa e Fayga Ostrower, artistas com obras presentes na exposição Narrativas Poéticas – Coleção Santander Brasil.

Serviço

Mostra Narrativas Poéticas – Coleção Santander Brasil

Curadora Geral Helena Severo

Curadores Antonio Cicero, Eucanaã Ferraz e Franklin Pedroso

Projeto Expográfico Marcello Dantas e Suzane Queiroz

Produtor Executivo Jocelino Pessoa

Diretora de Produção Maria Eugênia Porto da Silveira

17 de junho a 16 de agosto de 2015

Entrada franca

Espaço Cultural José Lins do Rego – Galeria de Arte Archidy Picado (Av. Abdias Gomes de Almeida, 800 – Tambauzinho – João Pessoa)

Informações: (83) 3211-6225

Horário de Funcionamento: Segunda a domingo, das 08h às 18h