Fale Conosco

19 de junho de 2009

Evento proporciona conta entre os artesãos e lojistas brasileiros



A gestora do 10º Salão de Artesanato da Paraíba, Marielza Rodrigues Targino de Araújo, disse que o empreendimento é uma vitrine da produção anual dos artesãos, já que eles passam 12 meses elaborando peças, melhorando a qualidade dos produtos, criando embalagens e etiquetas e inovando nos produtos que são mostrados durante o evento, que acontece dentro do ‘Maior São João do Mundo’, em Campina Grande.

Segundo ela, “o salão é uma grande oportunidade dos artesãos demonstrarem seus produtos e, mais do que venderem nessa época, tem uma grande chance de fazer contatos com lojistas de várias regiões do país para fechar negócios futuros”.

Programa de Governo – Falando sobre o apoio do Governo do Estado ao empreendimento, Marielza Targino disse que o programa “é uma verdadeira ação governamental, que tem o maior interesse em colaborar com a realização do evento. O Salão recebe ainda aporte financeiro do Sebrae-PB, através do Programa das Micro e Pequenas Empresas e de outros parceiros”.

Ela lembrou que “apesar de alguns acharem que o Salão não seria realizado este ano por conta da mudança de governo, o governador José Targino Maranhão e a presidente de honra do evento, Sandra Moura, deram a garantia de que o evento ocorreria, pois além de gerar emprego e renda, ainda proporciona ações de capacitação e de mercado para os artesãos, que assim melhoram sua qualidade de vida e renda mensal”, observou.

“Nós temos uma visão de negócios aqui. Não trabalhamos com assistencialismo. O artesão é um empreendedor e o artesanato é uma atividade lucrativa que gera renda para muitas famílias em diversas comunidades da Paraíba”, afirmou Marielza Targino, para quem o artesão é o protagonista da situação. “Ele investe, é capacitado e realiza negócios presentes e futuros”, comentou.

Avaliações positivas – Falando em nome dos profissionais do artesanato, a presidente da Federação dos Artesãos e Artesãs da Paraíba, Julieta de Lourdes Estevão Lopes, disse que faz “uma avaliação maravilhosa do espaço, que é muito amplo e proporciona negócios para todos, além de gerar oportunidades de contatos diretos dos artesãos com seus clientes”.

Atuando com macramé, que é a arte de dar nós, Julieta de Lourdes disse que os locais de vendas foram bem divididos, cada setor com uma categoria de acordo com a arte de cada um, “e isso também foi importante porque os clientes não sentem dificuldade de encontrar o que querem ou tem idéia de comprar”.

Ela também destacou a ação do governador José Maranhão, que apesar de pouco tempo no cargo e dos comentários de que não iria promover o evento, garantiu a realização do 10º Salão de Artesanato da Paraíba, que este ano está sendo considerado o melhor de todos em termos de venda e negócios futuros.

Outra artesã que também fez avaliação positiva do empreendimento foi Maria de Lourdes Diniz da Silva, que trabalha com escultura em madeira. Ela era uma pessoa que não acreditava na realização do evento, “mas o governador José Maranhão está de parabéns pelo Salão, que para nós é fundamental, pois muitos aqui sobrevivem do artesanato e sustentam suas famílias com esse trabalho. Tudo está muito bom. Está ótimo e acho que vai melhorar mais ainda”.

Para Josefa Oliveira, que atua na região de Ingá e trabalha com labirinto, este ano o Salão de Artesanato está sendo o melhor de todos. “Há quatro anos que participo e acho que este ano é o melhor. Está tudo muito bem organizado. O governador José Maranhão está mesmo de parabéns por garantir nosso espaço de trabalho. Já vendi bastante, mas tenho certeza que vou vender muito mais”, completou a artesã.

Secom, de Campina Grande