Fale Conosco

13 de abril de 2013

Estruturação administrativa e obras viárias marcaram trajetória de Dorgival Terceiro Neto



Dorgival Terceiro Neto nasceu em 1932, em Taperoá, no interior da Paraíba. Filho de agricultores, morou os primeiros anos de vida no pé de uma serra. Começou os estudos aos 12 anos, no Colégio Diocesano, em Patos. Depois, estudou no Liceu Paraibano, em João Pessoa, e em 1957 formou-se na Faculdade de Direito da Paraíba.

Advogado, escritor e procurador do Estado, Dorgival nunca imaginou que um dia chegaria a ocupar dois dos principais cargos públicos do Estado, o de prefeito de João Pessoa, de 1971 a 1974, e o de governador, de 1978 a 1979. “Fui prefeito e governador quase sem querer, sem pedir e sem saber. Nunca tive interesse de ser candidato a nada”, revelou Dorgival Terceiro Neto, em entrevista ao jornal A União, em setembro do ano passado.

A carreira na política paraibana teve início em 1971, quando foi nomeado prefeito da capital pelo então governador Ernani Sátyro. “Foi um prefeito de visão extraordinária com relação aos problemas viários da capital”, lembra o jornalista Biu Ramos, ex-aluno de Dorgival na Faculdade de Direito, na década de 1970.

Dorgival Terceiro Neto criou o primeiro Plano Diretor de João Pessoa. Construiu as avenidas José Américo de Almeida (Beira-Rio), Rui Carneiro e Flávio Ribeiro Coutinho (Retão de Manaíra). As obras no setor viário foram uma marca na sua administração e mostraram também uma visão de futuro do então prefeito.

É creditado também a Dorgival Terceiro Neto o trabalho de organização interna da Prefeitura de João Pessoa. “Até ele assumir, era um verdadeiro caos, impossível de se administrar. Dorgival fez a estruturação de secretarias, organização de processos e agilização da burocracia”, lembra o jornalista.

Em 1974, terminado seu mandato de prefeito, foi eleito indiretamente vice-governador, juntamente com o governador Ivan Bichara. Assumiu o cargo de governador em 14 de agosto de 1978 a 15 de março de 1979, durante apenas sete meses. No Governo do Estado deixou as marcas da probidade, da honradez e do espírito publico bem evidentes.

Depois de deixar o Governo, em 1979, tendo como sucessor o governador Tarcísio Burity, Dorgival Terceiro Neto trabalhou como redator no jornal A União e tornou-se membro da Academia Paraibana de Letras. Apesar de ter exercido cargos políticos, ele nunca se considerou um político. Dizia que a falta de sinceridade e de lealdade na política não combinava com sua personalidade. “Eu nunca fui político, nunca tive gosto pela atividade política”, revelou Dorgival, ressaltando também que não gostaria de voltar a exercê-los. Para ele, assumir os cargos de prefeito e governador “foi uma grata surpresa”.