Fale Conosco

1 de junho de 2009

Estado vai doar terras que beneficiam 100 famílias em Sousa



O governador José Maranhão anunciou que no próximo dia 10 será assinado termo de concessão de terras do Governo do Estado para o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), determinando a posse de terrenos para agricultores assentados numa área de 997 hectares nas Várzeas de Sousa. O anúncio aconteceu durante visita àquele assentamento na tarde de sábado (30).

Com a decisão, cerca de 100 famílias serão beneficiadas. Este ano, eles deverão colher cerca de 100 toneladas de milho, 30 toneladas de feijão e já criam aproximadamente 100 cabeças de gado. “Vamos aumentar essa produção”, garantiu o coordenador da ONG Via Sertaneja, Fernando Perissé.

Maranhão visitou o local acompanhado dos secretários Francisco Sarmento (Infraestrutura), Rui Bezerra Cavalcante (do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca-Sedap) e Lena Guimarães (Comunicação). O governador foi recebido pelos assentados e ouviu da agricultora Francinete Luguinho de Sousa (Neta) palavras emocionadas de elogios à decisão, afirmando que as famílias estavam ali “para resistir e edificar”.

‘Neta’ disse que aquelas famílias esperavam por aquele momento há cinco anos, quando foi iniciada a luta pelas terras. “Recebemos promessas do governo passado, mas nunca fomos atendidos”, se queixou. E concluiu: “agora vai haver paz entre nós”.

Ao assumir o compromisso com os moradores da localidade, o governador disse que eles podiam confiar porque “não tenho o defeito de fazer promessa e não cumprir”. Em poucas palavras, Maranhão disse que ao tomar conhecimento da reivindicação determinou estudos sobre os aspectos legais e jurídicos por parte da Procuradoria Geral do Estado. “Vamos atender as reivindicações”, garantiu.

Solução rápida – Fernando Perissé criticou o governo passado. Disse que em três oportunidades assistiu comemorações emocionadas de promessas de resolver o problema. “Até a saída do governante não houve solução”, lembrou.

“Governador, durante cinco anos esse povo vive debaixo de barracos, convivendo com animais peçonhentos. Agora, em apenas 100 dias houve uma resposta que já era esperada há cinco anos”, disse emocionado.
Perissé fez questão de elogiar os secretários Francisco Sarmento, Rui Bezerra e o procurador Marcelo Weick. Para ele, os três auxiliares do governo atual “foram os pilares para uma solução estudada no gabinete do procurador geral do Estado, quando foi mostrado que havia vontade política do governo de corrigir a injustiça”.

Irregularidades – Perissé denunciou que 1.800 hectares das Várzeas de Sousa, divididos em 178 lotes e destinados a pequenos agricultores, “foram distribuídos a pessoas com alta condição de vida, inclusive para uma professora da Universidade Federal do Ceará, empresários, parentes de políticos e até uma pessoa que reside em um edifício em João Pessoa”. Ele afirmou que foram feitas denúncias ao Ministério do Desenvolvimento Agrário.

O coordenador da ONG Via Sertaneja é carioca, executivo (foi diretor de marketing da Bolsa Brasileira de Futuro, ligada a Bolsa de Futuro do Rio de Janeiro); se tornou voluntário em projetos sociais, trabalhou nas comunidades da Rocinha e Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, com o objetivo de tirar crianças da situação de risco. Está na Paraíba há seis anos, iniciando um trabalho social em Cajazeiras e agora também em Sousa.

Cardoso Filho, da Secom