Fale Conosco

4 de novembro de 2013

Estado oferece atendimento com cirurgia de câncer de próstata e trabalha em parceria com municípios



Depois do ‘Outubro Rosa’, que alertou a mulher sobre o câncer de mama, agora é a vez do ‘Novembro Azul’, uma campanha que chama a atenção dos homens para os riscos da próstata. Em João Pessoa, o Governo do Estado oferece atendimento especializado com cirurgia no Hospital General Edson Ramalho. De acordo com o urologista Rafael Rebouças, na Paraíba, desde 2010, a laparoscopia é utilizada no tratamento do câncer de próstata e a unidade de saúde realiza, rotineiramente, o procedimento pelo Sistema Único de Saúde. A laparoscopia é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo realizado sob efeito de anestesia.

Segundo o urologista, nos EUA, atualmente, mais de 80% das cirurgias são realizadas por laparoscopia, assistidas por robô. “A principal desvantagem do robô é seu elevado custo. O custo do robô, em si, varia entre 1,3 a 1,5 milhões de dólares, com manutenção anual de U$ 100 mil e acréscimo de U$ 400 a U$ 1,200 mil a cada caso. Portanto, está longe de ser a realidade brasileira e muito menos da nossa região. Cirurgiões tecnicamente bem capacitados podem oferecer a mesma qualidade e resultado cirúrgicos, a custos bem menores, com a laparoscopia pura”, destaca o urologista.

Ele explica que o serviço de urologia do Hospital Edson Ramalho acompanha, na medida do possível, a literatura mundial mais recente. Há três anos, a maioria das cirurgias urológicas é realizada por laparoscopia, além de incorporar novas técnicas de cirurgia por uma única incisão. “Nosso principal objetivo é oferecer a toda a população o que se tem de melhor na medicina, sem haver distinção entre a medicina privada e a pública”, observou.

Rebouças afirmou que o pioneirismo, nesta inovadora técnica cirúrgica, denominada LESS (LaparoEndoscopic Single site Surgery), já rendeu ao Hospital duas publicações em revista científica internacional (International Brazilian Journal of Urology). A equipe já realizou mais de doze cirurgias, com resultados animadores e que foram apresentados no Congresso Brasileiro de Urologia em 2011, realizado em Florianópolis-SC. “Neste mês, em Natal, participaremos do Congresso Brasileiro de Urologia, com a apresentação de sete trabalhos, provenientes das cirurgias realizadas no Edson Ramalho”, destacou.

Diagnóstico precoce – De acordo com Rafael Rebouças quando se fala em doenças do homem, se pensa logo em próstata. Ele adiantou que as duas principais patologias são: a Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) e o câncer de próstata, explicando que a HPB consiste em um crescimento benigno da próstata, presente em mais de 50% dos homens, acima dos 60 anos. A doença resulta em sintomas urinários, como: força para urinar, jato fraco e aumento da frequência urinária noturna. Tais sintomas prejudicam a qualidade de vida e levam os homens a procurar atendimento médico. “Atualmente, temos excelentes medicamentos, para tratar o crescimento da próstata, capazes de melhorar os sintomas e, principalmente, evitar a progressão da doença e a necessidade de cirurgia. Para isto, é fundamental que o homem tenha seu diagnóstico precoce”, afirmou.

Segundo o urologista, alguns casos, que não respondem bem à medicação, ou têm complicações maiores da doença, podem necessitar de procedimento cirúrgico. Neste caso, a ressecção transuretral da próstata (raspagem da próstata) é o padrão de tratamento, que consiste em uma desobstrução da próstata, através da uretra.

O câncer costuma ser silencioso e assintomático. Os raros sintomas do câncer de próstata, normalmente, estão relacionados à doença avançada. Portanto, os homens que esperam sentir algo, para procurar o médico, podem perder a chance de cura, através de um diagnóstico precoce. “Gradativamente, percebemos um maior interesse dos homens pela sua saúde. O preconceito com relação ao exame da próstata diminuiu bastante ao longo dos últimos anos. A informação, provavelmente, é a principal responsável por essa mudança”, alerta o urologista.

Ele explica que atualmente, alterações na medida do PSA total (exame de sangue) orientam a maioria dos diagnósticos de câncer de próstata. O toque retal da próstata auxilia no diagnóstico dos tumores que não alteram o PSA (25%) e melhora a detecção, nos casos de PSA alterado. O PSA deve ser feito a partir dos 40 – 45 anos. “Após o diagnóstico, por meio de biópsia da próstata, as doenças localizadas possuem várias opções de tratamento, com excelentes taxas de cura. Os principais métodos são: a cirurgia, a radioterapia e a vigilância”, comentou.

Rafael Rebouças lembrou que nos últimos anos houve uma reviravolta no tratamento cirúrgico, com a disseminação da cirurgia laparoscópica. “Dentre os principais atrativos da laparoscopia, podemos citar a menor perda sanguínea, menor dor no pós-operatório, retorno precoce ao trabalho e melhor resultado estético. Após comprovação científica da sua segurança e efetividade, a laparoscopia tornou-se padrão de tratamento para diversas patologias. Para o câncer de próstata não foi diferente”, explicou.

Ações nos municípios – Além do atendimento especializado e dos procedimentos cirúrgicos, a Secretaria de Estado da Saúde, por meio da área temática de saúde do homem, participa da construção das ações de saúde do Novembro Azul, assessorando os municípios nas discussões e disponibilizando materiais educativos. “Recentemente, foi realizado um encontro para a discussão e fortalecimento da Política Nacional de Ação Integral a Saúde do Homem (PNAISH), direcionado para os municípios, subsidiando-os para o desenvolvimento de suas ações. Os municípios implantados com a PNAISH no Estado da Paraíba são: João Pessoa, Campina Grande, Patos , Cajazeiras e Monteiro”, disse Ellen Rangel, chefe do Núcleo de Ações Estratégicas da Atenção Básica da Secretaria de Estado da Saúde.

Ela explica que a política nacional de atenção integral à saúde do homem está alinhada com a política nacional da Atenção Básica, porta de entrada do Sistema Único de Saúde, com as estratégias de humanização e em consonância com os princípios do SUS, fortalecendo ações e serviços em redes e cuidados da saúde.

O que é o Novembro Azul? – De acordo com Ellen Rangel, Inspirado no Outubro Rosa, campanha de conscientização do diagnóstico preventivo do câncer de mama. Um dos principais motivos da campanha é o combate à cultura dos homens de só se consultarem com um médico quando estão doentes, diferentemente das mulheres, mais adeptas de exames preventivos. Estatísticas oficiais mostram que cerca de 30% dos pacientes do Sistema Único de Saúde são diagnosticados com câncer de próstata já em estágio avançado. Se descoberta no início, a doença é curável em 90% dos casos. Os especialistas afirmam que visitas regulares ao médico — pelo menos, uma vez ao ano — são fundamentais para a detecção precoce não só do câncer de próstata, mas também de doenças cardiovasculares e outros tipos de cânceres.

Dados do Brasil- O câncer de próstata ocupa o segundo lugar, em incidência, entre os homens, estimando-se em mais de 60 mil novos casos para este ano, e perde apenas para o câncer de pulmão, em mortalidade (INCA). Os principais fatores de risco são: a presença de história familiar e o valor basal do PSA.

Dados da Paraíba – O câncer de próstata já matou 178 homens este ano na Paraíba, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde. A doença é uma das que faz mais vítimas no Estado. Em 2011, a doença liderou com 296 mortes, seguida pelo câncer de estômago com 281 e em terceiro lugar ficou o câncer de pulmão com 280 óbitos. Em 2012, foi o segundo tipo de câncer de maior incidência de óbitos no Estado, com 272 mortes. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é que este ano devem surgir 940 novos casos deste tipo de câncer em todo Estado, dos quais 170 em João Pessoa.