Fale Conosco

5 de setembro de 2011

Estado distribuirá 21 toneladas de mantas, lençóis e colchas doados pela Receita



O Governo do Estado vai distribuir 21 toneladas de mantas, cobertores e colchas de cama com 4,6 mil famílias paraibanas atingidas por chuvas no inverno deste ano. Os 204 fardos desses produtos estão em um dos galpões do Porto de Cabedelo e foram doados pela Receita Federal ao Estado.

A Defesa Civil Estadual fará a entrega às 4.600 famílias. O coronel Walber Rufino, coordenador executivo da Defesa Civil Estadual, revelou que este ano 180 municípios paraibanos tiveram problemas com chuvas. Desse total, 50 cidades sofreram maiores danos e, dentre estas, 34 municípios tiveram o maior número de desabrigados.

A doação dos 21.036 quilos de lençóis, mantas e colchas produzidas na China ocorreu na manhã desta segunda-feira (5) e foi feita pelo delegado da Receita Federal na Paraíba, José Honorato. Representaram o Governo do Estado no ato o diretor presidente da Companhia Docas da Paraíba, Wilbur Jacome, e o coordenador executivo da Defesa Civil Estadual, coronel Walber Rufino. As 24 mil peças estão avaliadas em R$ 189 mil.

O delegado da Receita Federal na Paraíba, José Honorato de Souza, revelou que o navio que trouxe a carga chegou ao Porto de Cabedelo no dia 20 de outubro de 2009, adquirida por um empresário paraibano. Passado o prazo de 90 dias para o procedimento de nacionalização da mercadoria, o que não foi feito pelo empresário, o produto então ficou retido. O importador não registrou a Declaração de Importação junto à alfândega do Porto. Os tecidos iriam a leilão, mas, atendendo a um pedido do Governo do Estado, a superintendência regional da Receita Federal, com sede em Recife, decidiu fazer a doação.

O diretor presidente da Companhia Docas da Paraíba, Wilbur Jácome, revelou que a doação é uma ajuda humanitária significativa para as milhares de famílias que tiveram prejuízos com as enxurradas e enchentes provocadas pelas chuvas. Ele agradeceu o gesto da Receita Federal: “É um bom momento para todos, Porto, Receita e para a Defesa Civil que vai distribuir os produtos com quem está precisando”, destacou.